Comportamento

Dicas para o desfralde noturno

Acabamos de passar pelo desfralde noturno!

Foto: pexels.com

Foto: pexels.com

É oficial, não temos mais resquícios de bebês em casa… já se foram as chupetas, as mamadeiras e agora, finalmente, posso dizer que acabou a época das fraldas!

O desfralde da Alice durante o dia já havia sido concluído há bastante tempo, mas ela continuava usando fralda à noite.

Nunca tive a menor pressa em tirar a fralda da noite. Aliás, sempre tratamos como dois processos totalmente distintos. Portanto, enquanto trabalhávamos no desfralde do dia, nem passava pela nossa cabeça o desfralde da noite. Com o meu filho mais velho foi igual.

Tudo aqui aconteceu de uma forma natural. Depois de alguns bons meses com o desfralde diurno estabilizado, começamos a pensar no momento da retirada da fralda da noite. Aos poucos, ela foi acordando com a fralda seca, mas ainda assim mantive.

Uma coisa que eu sempre fiz questão era de tirar a fralda assim que acordasse. Nada de deixá-la brincando, curtindo uma preguicinha usando fralda. Acordou, era hora de ir pro banheiro, tirar a fralda e fazer xixi.

Também passamos por uma fase de testes, quando ela adormecia à tarde sem estar usando fralda. Nessas sonequinhas à tarde, acontecerem alguns escapes, molhando roupa, lençol, colchão, tudo. Faz parte, não tem jeito!

De vez em quando ela me questionava e falava que não queria mais usar fralda à noite e eu explicava que precisávamos só de mais um pouquinho de tempo, até ela estar preparada, até ela conseguir acordar quando quisesse fazer xixi de madrugada etc. Ela sempre foi muito envolvida por nós no assunto. Ou seja, não se tratava de uma decisão minha e ponto final. Tentava contextualizar para ela sempre que podia.

Também escolhi o inverno passar e esperar o calor para iniciar o desfralde. Não dá para ficar lavando lençol, colchão, mantas etc nos dias de frio, levando 2, 3 dias para secar. Mas iniciar o desfralde noturno no calor também tem outra teoria: é a época que eles suam mais e fazem menos xixi.

Bem, o calor chegou e um dia fomos surpreendidos: enquanto colocava o pijaminha da Alice me dei conta que a fralda havia acabado e eu não tinha mais nenhuma! Não tinha outra opção: vai dormir sem! E apenas avisei: Alice, hoje você vai dormir sem fralda porque a mamãe esqueceu de comprar. Sem pressão nenhuma! E na outra noite, em vez de comprar fraldas, quisemos repetir a façanha. E deu certo de novo. Já faz 1 mês que tiramos a fralda noturna e até hoje nenhum escape. A Alice está com 3 anos e 9 meses. Mas acho que ainda pode acontecer!

Algumas pessoas precisam acordar no meio da madrugada e levar a criança ainda sonâmbula para fazer xixi. Graças a Deus não precisei fazer isso. Porque, gente, já durmo super pouco, se ainda tiver que colocar despertador para levar filho ao banheiro toda noite… ai não rola não. Mas isso é de cada criança. Nunca levei porque não precisei (ufa!).

Quando ela sente vontade, aí sim, acorda chorando e a levo ao banheiro. Apesar de muitos sugerirem para evitar líquidos 2 horas antes de dormir, não faço nenhuma restrição. Ela já não toma leite antes de dormir há um tempo, mas muitas vezes pede suco ou água e eu dou.

Protetores de colchão

Como ainda acho que pode rolar um escape qualquer dia, uso no colchão da Alice um forro de colchão impermeável que era do berço deles (era do Teodoro, depois passou pra Alice. Já lavei algumas vezes na máquina. Ou seja: dura!). O forro é parecido com este, da Alô Bebê:

protetor de colchão impermeavel

Mas existem outros protetores de colchão para desfralde no mercado e que são descartáveis. A Needs, por exemplo, marca da Droga Raia, comercializa o protetor de colchão baby, descartável e absorvente, que também pode ser usado nas cadeirinhas de carro, sofá etc. O tamanho é de 80 x 60 cm.

protetor de colchão descartavel needs

Também conheço o protetor da marca Baby & Me, no tamanho 70 x 60 cm, descartável e absorvente.

desfralde baby me

Já vi gente recomendar usar tapetinho higiênico de cachorro para usar colchão hahaha Acho desnecessário, sendo que existe o produto para humanos rs. Na falta do protetor para as crianças, vale procurar nas farmácias protetores descartáveis de colchão geriátrico, pois têm a mesma finalidade.

Xixi no colchão no meio da noite, e agora?

E quando você não usou o protetor e aconteceu um incidente? Ter sempre lençóis reserva é necessário, assim como uma mantinha reserva! Para limpar o colchão, a sugestão é colocar jornal em cima da parte molhada para absorver. Eu passo um pano embebido em álcool e depois água oxigenada 10 volumes para tirar o cheiro do xixi. Também gosto de deixar o colchão no sol ou tomando um ar na lavanderia/ quintal.

Xixi na cama depois dos 5 anos

Se você achar que seu filho ou filha já passou da idade do desfralde noturno, vocês já fizeram diversas tentativas e está muito difícil, vale a pena conversar com um especialista. Existe um distúrbio chamado enurese noturna, caracterizado pela perda involuntária de urina durante o sono após os 5 anos. A enurese noturna atinge 15% das crianças acima de 5 anos e tem diversas causas, entre eles a genética. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, 44% das crianças cujo um dos pais teve enurese e 77% daquelas que ambos os pais tiveram enurese terão o problema.

Cada família, uma experiência

Gente, esse post serviu para contar como foi o desfralde noturno aqui em casa e passar as dicas que serviram com a gente. Mas tenham em mente que cada família tem o seu tempo, suas facilidades e suas dificuldades. Nada pode ser considerado como uma regra. Mas é importante: ter paciência (novidade, né?! Rs) e não brigar ou penalizar a criança quando rolar um xixi na cama.

Para quem ainda está no processo do desfralde diurno, tem dois posts bem interessantes aqui no blog que leva a assinatura da psicóloga Joana Petrili, que trabalha há 15 anos com crianças e adultos em psicoterapia:

>> Desfralde: seu filho está pronto?

>> Desfralde parte 2: livros que podem ajudar a família

Decoração & Festas

Decoração de Natal: quando montar a árvore e tendências de enfeites

Árvore de natal

Você já montou a árvore de Natal?

As vitrines das ruas já estão tomadas com enfeites de Natal, os Papais Noéis dos shoppings começaram a surgir e os panetones, aos poucos, estão dominando os corredores dos supermercados!

Tradicionalmente, a data certa para começar a montar a árvore é no 4º domingo antes do Natal, o domingo do advento. Em 2017 a data cai no dia 03 de dezembro!

De acordo com os costumes católicos, a árvore, assim como o presépio, deve ser montada aos poucos, durante as quatro semanas seguintes até o dia 24.

Árvore de Natal montada na loja Cromus Experience

Árvore de Natal montada na loja Cromus Experience

Eu gosto de aproveitar o mês de novembro para ir atrás de enfeites, encontrar novidades nas lojas e ir comprando os adornos de pouquinho em pouquinho. De acordo com o Walmart, as vendas de artigos natalinos concentram-se em novembro, quando acontecem 50% das vendas.

Como compro aos poucos, a cada ano que passa, a minha árvore ganha novos enfeites e a decoração fica mais completa ainda. Sou do tipo que tem pretensões de enfeitar a casa toda de Natal, mas jamais sairia de uma loja com a árvore completa de uma vez só!

Momento confesso: sou da época que embrulhava caixinhas de fósforo vazia para usar de enfeite na árvore de Natal! Também sou da época que as bolas eram de vidros e todo ano quebravam :/

Tendências na decoração de Natal

Dá para fazer uma árvore clássica, usando as cores vermelha, branca, verde e dourada, bolas brilhantes e enfeites com glitter e lantejoulas, assim como montar uma árvore mais rústica, abusando de laços com juta, bolas de sisal, objetos de rattan e enfeites de madeira.

Rena de rattan “Wish and Shout”, da Tok Stok (R$ 74,90 loja física em São Paulo)

Rena de rattan “Wish and Shout”, da Tok Stok (R$ 74,90 loja física em São Paulo)

O handmade, cada vez mais valorizado, também tem espaço nas árvores. Enfeites que usam técnicas como patchwork, feltragem e crochê são lindos de ver. Dá para encontrar uma boa variedade de produtos artesanais para decoração de Natal no Elo7.

Print da loja "Costurando à mão", que encontrei no Elo7, com enfeites de Natal de patchwork

Print da loja “Costurando à mão”, que encontrei no Elo7, com enfeites de Natal de patchwork

Procurei por "amigurumi Natal" na busca do Elo7 e vejam quantas lindezas de crochê apareceram! Fofo!!

Procurei por “amigurumi Natal” na busca do Elo7 e vejam quantas lindezas de crochê apareceram! Fofo!!

Para quem gosta de uma decor fofa, enfeites de pelúcia sempre são encontrados com facilidade em qualquer loja. Os Disneymaníacos encontram artigos de decoração do Mickey, princesas e outros personagens queridos em lojas como Walmart e Cromus (logo abaixo vou falar sobre onde encontrar).

Árvore de Natal inspirada nos personagens da Disney! Foto: divulgação Feira Natal Show 2017

Árvore de Natal inspirada nos personagens da Disney! Foto: divulgação Feira Natal Show 2017

Os fios de luzes estão cada vez mais lindos e criativos, vindos com os mais variados formatos possíveis. As árvores de LED são itens natalinos que estão muito presentes nas vitrines.

Árvores de LED expostas na Feira Natal Show 2017. Foto: divulgação Natal Show

Árvores de LED expostas na Feira Natal Show 2017. Foto: divulgação Natal Show

Também tenho visto muitos artigos decorativos de Natal inspirados em borboletas, passarinhos e corujas! Uma das tendências para 2017 apresentadas na Feira Natal Show, realizada em maio deste ano, é usar elementos da natureza na decoração. Os picks em formato de pássaros, folhas e flores são ótimos para esse efeito.

Pick de passarinho de 40 cm, vendido na loja Rei do Armarinho, por R$ 6,10 (várias cores)

Pick de passarinho de 40 cm, vendido na loja Rei do Armarinho, por R$ 6,10 (várias cores)

Adorno de borboleta na árvore de Natal da loja Cromus Experience

Adorno de borboleta na árvore de Natal da loja Cromus Experience

Onde comprar enfeites para as árvores de Natal

Gosto muito de conferir o catálogo da Cromus, que é uma marca excelente de embalagens, festas e mesa posta. O catálogo é super completo, com mais de 700 páginas e dá para ficar por dentro das tendências e ter muitas ideias. A novidade é que agora a Cromus também tem loja online oficial no Mercado Livre! Mas, para quem gosta de escolher ao vivo e ir direto ao assunto, vale muito a visita na loja Cromus Experience, na Av. Ibirapuera, em São Paulo.

Como falei lá em cima, é possível fazer uma árvore inteira só com enfeites dos personagens da Disney! Bolas com formatos das orelhas do Mickey, pendentes lindíssimos das princesas, pelúcias para pendurar de personagens amados, etc. Acho fofo demais!! Já vi disponíveis na Cromus (online e Experience) e nas lojas físicas do WalMart.

Ornamento Disney de sino, à venda no Walmart, R$ 9,90

Ornamento Disney de sino, à venda no Walmart, R$ 9,90

Pack com 10 ornamentos Disney, à venda no Walmart, R$ 9,90

Pack com 10 ornamentos Disney, à venda no Walmart, R$ 9,90

Enfeite Disney Cinderela, à venda na Cromus online, R$ 37,90

Enfeite Disney Cinderela, à venda na Cromus online, R$ 37,90

Visitar a 25 de Março pode ser uma ótima oportunidade para encontrar enfeites de Natal com preço bem mais em conta. Lojas como Rei do Armarinho e Matsumoto são bem conhecidas e costumam estar recheadas de boas ofertas e, claro, muita variedade de produtos!

Eu, que já estou me preparando para montar a nossa árvore aqui em casa, fiz algumas comprinhas de enfeites neste ano. Comprei em uma loja chamada Rota 99 na Rua Teodoro Sampaio, em Pinheiros e com preços ótimos! Reparem nos preços!

Pack de bola de Natal com pintura

Pack de bola de Natal com pintura

Detalhe da bola de Natal pintada

Detalhe da bola de Natal pintada

 

Enfeite de casinha

Enfeite de casinha

Cordão de luz em formato de lanterna dourada. Não é pisca pisca (me irrita)

Cordão de luz em formato de lanterna dourada. Não é pisca pisca (me irrita)

Fitas decorativas de Natal

Fitas decorativas

Mini pregadores com lousinha (para acompanhar uma lembrancinha ou presente).

Mini pregadores com lousinha (para acompanhar uma lembrancinha ou presente).

E essas foram as minhas compras na loja da Cromus Experience. Quase nenhum item da loja saía por menos de R$ 9,00.

compras de Natal Cromus

Compras de Natal Cromus

Inspirações de árvores de Natal

E, para finalizar, montei uma galeria com árvores de Natal muito inspiradoras! As fotos são do Pinterest (tem mais fotos na minha pasta “Árvores de Natal do Pinterest”).

Bolas de Natal, cristais de gelo e muitos bonecos de neve!

01_arvores de natal

Quem disse que enfeite de Natal precisa ser verde, vermelho e dourado? Dá para ser colorido, sim!

02_arvores de natal

Árvores brancas dão maior destaque aos enfeites

05_arvores de natal

Tema de doces na Árvore de Natal nos tons “candy colors”

06_arvores de natal

Imaginação e fantasia: Papai Noel, duendes e luzinhas

07_arvores de natal

Aqui menos não é mais!

08_arvores de natal

Árvore decorada com o tema Gingerbread

fec_tree001

 

Aqui, a composição dos enfeites segue mais ou menos um padrão

10_arvores de natal

Decoração rústica de árvore de Natal. A base da árvore fez toda a diferença!

11_arvores de natal

Efeito natural com pinhos, fita rústica e base de juta!

12_arvores de natal

Na hora de montar a sua árvore, não deixem de conferir o post que fiz na inauguração da loja conceito Cromus, com os truques que as professoras da loja ensinaram para colocar os enfeites de Natal!

Desabafo

No ciclo da vida, a infância e a velhice caminham lado a lado

ciclo da vida

Imagem: pexels.com

Minha mãe virou mãe de novo. Não, minha mãe não engravidou aos 63 anos. Agora ela é mãe da mãe dela, a minha avó.

Nos últimos anos, a nossa família teve (está tendo) a felicidade de conviver muito, mas muito próxima mesmo. Praticamente todos os dias minha irmã, eu e nossos filhos almoçamos na casa da minha mãe e avó, que moram juntas – somente as duas – desde que meu avô nos deixou, há quase dez anos. Foi na casa da minha mãe que descobri minha primeira gravidez. Foi lá também que meus filhos saborearam a primeira papinha da vida. Foi na casa da nossa mãe que minha sobrinha passava grande parte do dia enquanto minha irmã saía para trabalhar, antes de entrar na escolinha.

Esse convívio não só fortalece os nossos laços familiares como faz a gente perceber a loucura que é o ciclo da vida. Minha mãe em especial, ao mesmo tempo que acompanha bem de pertinho todos os netos se desenvolvendo e crescendo, desde o nascimento, passando pelas primeiras palavras, primeiros passos (e tombos), aperfeiçoamento da coordenação motora, desenvolvimento cognitivo etc etc, ela vê a sua mãe fazendo o “caminho inverso”.

Explico melhor: ela vê um bebê crescer e se desenvolver ao mesmo tempo que vê uma idosa voltando a ser bebê. No último ano a minha avó, agora com 91 anos, teve um aceleramento considerável no envelhecimento.

Se por um lado minha mãe me ajudava a ensinar um dos netos a sair das fraldas e a usar o penico, por outro lado ela notava que já estava na hora de adotar fraldas geriátricas na minha avó, dado o número frequente de escapes.

No ano passado a minha avó fazia diariamente as suas cruzadinhas – excelente para o exercício cerebral. De 1 ano pra cá ela parou com as cruzadinhas. Suas mãos não aguentavam mais segurar o lápis e coordená-los. Exatamente na mesma época que meu filho escrevia por todos os papéis que via pela frente as letrinhas do seu nome: TEODORO. A caligrafia enfraquecida parecia ser a mesma da bisa.

É como se as crianças estivessem em uma ponta do aprender e os idosos na extremidade oposta – a do desaprender.

Sabe quando você ensina a criança os passos para determinada ação bem simples? Por exemplo, tomando um copo de água. Mãe, quero água. Filha, seu copo está em cima daquela mesa. Pegue o banquinho e alcance o copo. Isso. Agora depois de tomar, leve o copo até a cozinha e deixe em cima da pia. Em determinado momento, minha mãe teve que ditar as ações da minha avó: mãe, agora que você terminou de almoçar, sente-se um pouco na poltrona. Antes de deitar-se, vá ao banheiro. O banheiro é ali. Isso. Agora você pode ir para o quarto.

Há pouco menos de 1 mês, minha avó parou de comer. Aí minha irmã deu uma brilhante ideia: em vez de oferecer a mesma comida que a gente come, fazer uma papinha para a minha avó. Isso mesmo, papinha, a mesma que nossas crianças comem na introdução alimentar: mandioquinha, batata, cenoura, carninha, tudo muito bem cozido, com macarrãozinho. E não é que deu certo? Enquanto isso, a odontopediatra recomendou que eu servisse pedaços maiores de carne para a minha caçula e equilibrasse sua alimentação com alimentos mais duros, como maçã, por exemplo.

Minha avó já começa a dar indícios que logo mais precisará de ajuda para comer, para levar o talher à boca. Enquanto isso, cada vez que meus filhos (5 e 3 anos) pedem ajuda para comer, respondo que já são grandes e que sabem fazer isso muito bem sozinhos.

Minha filha caçula, do início do ano pra cá, desabrochou. Ela era tímida, quietinha, e agora parece que engoliu um rádio, de tanto que fala e canta. A menina não para. Já a minha avó… quase não fala mais nada….

A casa da minha mãe é tão “kids friendly” quanto “old”friendly: tem lenço umedecido, muuuuitos brinquedos espalhados pela casa, redutor de assento e banheirinha. E também tem assento de vaso alto, barras de segurança no boxe, andador e cadeira para idoso tomar banho.

Não tem como fugir desse paralelo entre a infância e a velhice. Ambos caminham lado a lado, só que em direções opostas. Nossas crianças criam autonomia exatamente no mesmo passo que minha avó fica cada dia mais dependente. Dia após dia a gente tem a oportunidade de observar isso dentro da casa da minha mãe.

E que maravilha poder ensinar todos os dias aos meus filhos a respeitarem os mais velhos (ops, os beeem mais velhinhos). A lenta caminhada da minha avó pelo estreito corredor da sala até a cozinha contrasta com a ansiedade inata dos pequenos de 3 e 5 anos de quererem chegar a algum lugar. “Epa, pode esperar… deixa a bisa passar e depois você”.

Mas também é triste ver uma pessoa se aproximando da linha de chegada da vida. Um dia ela foi forte como nós, carregou três filhos no colo, cuidava da casa, dividia-se entre a maternidade, o casamento e a profissão de secretária executiva.

Ao mesmo tempo, puxa, que privilégio vê-la atravessar essa jornada de modo pleno, sem doenças ou acidentes… é só a bateria que está arriando mesmo (apesar de ter enfrentado um câncer de mama depois dos 80 anos).

O ciclo da vida está aí, diante dos nossos olhos. E o que podemos fazer com ele? Aprender! Tenho certeza que essa interação quase que diária entre gerações tão diferentes só traz benefícios para nós! Para todos nós!