Saúde & Alimentação

Meu filho não come! Dicas para ajudar na alimentação das crianças

meu filho não come vegetais

Alimentação das crianças é sempre um assunto interessante! Que mãe nunca ficou preocupada com o filho, que come pouco ou com a filha que passou a ser seletiva e exigente demais na hora da alimentação?

Aqui em casa estamos numa fase até que boa, digamos assim. Aos poucos meus filhos estão se interessando mais por saladas e legumes. O meu filho mais velho, de 5 anos, ama frutas, mas por outro lado decidiu que não gosta mais de feijão. Já a filha caçula come feijão, mas não gosta de experimentar frutas novas.

No último final de semana rolou o Descomplica Mãe, evento materno do qual tive a honra de ser uma das blogueiras embaixadoras. Durante todo o dia palestrantes de diversas áreas participaram do talk show comandado pela jornalista e apresentadora Mariana Ferrão.

Uma das convidadas foi a nutricionista Maria Luiza Petty, autora do livro “Lugar de Criança é na Cozinha”, que nos ensinou muito sobre alimentação infantil. Tenho certeza que as dicas que ela passou na palestra poderão te ajudar em casa também!

Maria Luiza Petty

Em primeiro lugar: Malu Petty explicou que o gosto pelo sabor doce e a aversão pelo amargo/ azedo é inato. Ou seja, já faz parte das crianças. Por isso, temos que ensinar os pequenos a gostarem de amargo e azedo – folhas, frutas e verduras. E como fazer isso?

A nutricionista afirma que uma das melhores formas de despertar o interesse da criança pelos alimentos é levar a criança para a cozinha. Mas não com a obrigatoriedade de comer. “Para cozinhar, a criança pode espontaneamente entrar em contato e experienciar o alimento sob diversas formas, isto é, sentir a textura, o cheiro, realmente mexer e se aproximar do alimento”, disse em sua apresentação.

Malu Petty diz que o processo de familiarização do alimento é mais importante do que comer. Fazer as crianças participarem da escolha e da compra dos alimentos na feira e no mercado também ajudam nessa familiarização.

Outra dica que a Malu Petty deu foi em relação ao exemplo que nós damos. Ou seja, se quiser que o filho coma um prato cheio de “verdinhos”, coma também. Se quiser oferecer uma fruta de lanchinho, dê também o exemplo e coma as mais diversas frutas. As refeições em família têm um peso enorme nessa mudança de hábito. De acordo com a nutricionista, sentar-se com os pais na hora do almoço ou jantar dá a oportunidade para a criança observar e aprender com eles. Porque não adianta você ter uma refeição super saudável e balanceada, mas seu filho não vê o que você come.

A Malu Petty apresentou uma tabela com algumas tarefas que as crianças podem fazer na cozinha, e desta forma se aproximar mais dos alimentos e das refeições.

Maria Luiza Petty

E para quem já passou pelo mesmo problema que eu aqui em casa (quando meu filho decidiu que não gosta mais de feijão), a dica é: não force, mas também não deixe de oferecer.  Expus o meu caso para a Malu Petty durante a palestra e ela me respondeu. Vejam o vídeo abaixo:

Dá trabalho levar o filho para a cozinha? Dá. Faz sujeira? Ô! É difícil adaptar-se ao horário de refeição das crianças? Muito! Pelo que eu entendi, estamos falando de pequenos sacrifícios mesmo (para quem, assim como eu, não faz nada disso e reclama que o filho não gosta de alface hahah). Mas vale a pena para mudar os hábitos alimentares dos filhos, não é? Importante ressaltar que essas atitudes – levar a criança para a cozinha, dar o exemplo, fazer a criança se familiarizar com o alimento etc – não devem ser pontuais. Deve tornar-se parte da rotina para fazer algum efeito.

Comportamento

Serviços online e apps que facilitam a vida da mãe

Dá para facilitar bastante a vida!

Dá para facilitar bastante a vida!

Um dia conversando com uma amiga, estava contando sobre a minha rotina quando percebemos o tanto de coisa que podemos resolver pela internet.

Contei que tinha ficado sem diarista durante as férias escolares e que resolvi rapidamente por um site que você contrata esse tipo de serviço de um dia para o outro. Também contei que estava experimentando uma lavanderia que faz o serviço de leva e traz, e que você monta o melhor plano para a sua necessidade através de alguns cliques. Falei sobre a experiência de receber em casa legumes e verduras fresquinhas sem precisar ir ao mercado.

Minha amiga deu risada e achou curioso eu usar tanto tipo de serviço pela internet. E eu achei curioso o fato dela estranhar alguém resolver a vida pela internet hahahah

Então como sei que mãe não tem tempo para nada, vou listar alguns serviços pela internet que podem facilitar bastante a nossa vida!. Alguns eu usei e outros ainda não tive a experiência, mas listo aqui por achar uma ideia interessante.

Serviços de limpeza https://www.easyqasa.com/

Usei algumas vezes o EasyQasa. Fiz tudo pela internet! Agendei com 1 ou 2 dias de antecedência, informei a quantidade de cômodos da casa e imediatamente o site já mostrava o valor que seria cobrado. O pagamento foi feito por cartão de crédito direto para a empresa. Ou seja, não existe nenhum vínculo empregatício. Depois só tinha que esperar entrarem em contato para confirmarem o agendamento da diarista, além de informar os dados da profissional que viria. Me quebrou um galhão na época que precisei. Importante dizer que fiquei o tempo todo em casa enquanto a profissional limpava. Eu não sei como funciona quando o dono da casa precisa se ausentar.

Lavanderia https://www.alavadeira.com/

No site de A Lavadeira, você monta o seu plano de acordo com a quantidade de pessoas na casa (que é uma estimativa do peso de roupas) e com a quantidade de camisas por mês que vai precisar. Eles levam e buscam 2 vezes na semana na sua casa. Você entrega as roupas sujas em uma sacola que eles fornecem e eles devolvem as roupas passadas e dobradas dentro de pacotes plásticos. Todas as roupas recebem uma etiqueta com um código e você pode conferir o status das peças que estão na lavanderia pelo site. Tudo muito bem organizado! Mas funciona com assinatura de planos e não como uma lavanderia esporádica.

Baby Sitter  https://www.clickbaba.com

Nunca usei, mas conheço pessoas que usaram o serviço de contratação de babysitter do Click Babá. Eu vou ser bem sincera, tenho uma dificuldade enorme em confiar em pessoas que não conheço para cuidar dos meus filhos, mesmo com indicações e referências (existe um processo delicado para a habilitação da babysitter pela empresa). Provavelmente não contrataria pelo aplicativo uma babysitter para ficar com as crianças enquanto eu saio, por exemplo. Mas talvez como uma assistente enquanto eu estivesse presente, sim.

Feira orgânica https://www.aquitandoca.com.br

Eu já usei algumas vezes delivery de frutas, legumes e verduras orgânicas fazendo pedido pela internet, mas a empresa fechou :/ Usei esse serviço quando as crianças eram menores e sair com os dois sozinha era chatinho. Mas uma empresa que tenho acompanhado há bastante tempo é a Quitandoca, que comercializa produtos orgânicos em São Paulo e possui uma loja online com serviço de delivery, além de uma loja física em Pinheiros.

Chá de bebê virtual www.fazendomeuchadebebe.com.br

Essa eu ainda não conhecia e recebi aqui em casa a novidade. É o Chá de Bebê Virtual criado pela Sage’s, loja online de produtos de limpeza e higiene pessoal. Funciona assim: os pais ou os organizadores do Chá de Bebê virtual incluem os presentes que gostariam de ganhar em uma lista. Os convidados recebem o convite por email ou redes sociais e escolhem entre os presentes selecionados. Depois dos amigos terem feito suas escolhas, um voucher no valor arrecadado é emitido e os pais podem trocar pelos produtos disponíveis no site www.sages.com.br. Um dos benefícios que eu achei mais legal nesta ideia é o fato dos pais poderem usar cupons de resgate em vez de receberem todos os presentes de uma só vez em casa, evitando aquela pilha de fraldas e lencinhos sem fim! Outra

Aplicativos

Motorista mulher

Eu detesto pegar táxi sozinha. Já passei por algumas situações um pouco desagradáveis com taxistas homens e, depois de saber de tantos casos de assédio, achei excelente quando surgiram dois aplicativos de transporte só com motoristas mulheres: o Lady Driver e o Femitáxi. Como em geral estou de carro, ainda não usei nenhum dos apps. Quer dizer, já tentei usar sim, mas na ocasião não havia motoristas disponíveis para a região que eu buscava. Uma pena, mas espero que esse serviço tenha um crescimento rápido. O Femitáxi ainda oferece a opção de transporte de crianças desacompanhadas. Os pais podem acompanhar a criança ao vivo, com uma câmera dentro do táxi, além de ver no mapa a posição do carro (disponível para crianças a partir de 7 anos). Eu não sei se usaria esse serviço de criança desacompanhada, sou neurótica demais pra isso… Mas também porque nunca precisei de verdade né? Se existe oferta é porque existe procura. Então é bom saber que podemos contar com empresas que enxergaram essa necessidade!

Primeiros Socorros – Drauzio Varella

Nunca precisei usar (e pretendo continuar assim), mas não apago esse aplicativo do meu celular de jeito nenhum. Tem informações sobre como agir em casos de choque elétrico, cortes, fraturas,  engasgamento, insolação, traumas na cabeça etc.

E você, já usou algum desses serviços ou aplicativos? Tem algum novo para indicar?

Comportamento

Como organizar uma feira de troca de brinquedos

organizar feira de troca de brinquedos

Foto: pexels.com

Já pensou reunir os amigos da escola, do condomínio, do bairro, da sua comunidade e realizar uma Feira de Troca de Brinquedos? Além de ser um motivo delicioso para integrar as crianças, uma troca de brinquedos incentiva a conscientização sobre esse consumismo desenfreado que estamos vivendo.

A Feira de Trocas de Brinquedos é uma alternativa sustentável de lazer que envolve reflexões sobre consumo, estimula a colaboração, socialização e criatividade entre as crianças, pois possibilita que elas deem um novo significado aos seus brinquedos”, diz Ekaterine Karageorgiadis, coordenadora do programa Criança e Consumo, do Alana, organização sem fins lucrativos. O programa atua desde 2006 para sensibilizar as pessoas sobre as consequências do consumismo infantil.

Durante todo o mês de outubro, o Criança e Consumo incentiva que mães, pais, e responsáveis, educadores, vizinhos, entre outros grupos, organizem suas próprias Feiras de Trocas de Brinquedos. Pode ser um grande evento, realizado em parques públicos ou espaço coletivos, assim como uma “feirinha” entre os amigos, coleguinhas da escola ou da sua rua! A ideia é que qualquer pessoa ou grupo possam organizar a feira de troca de brinquedos.

E como?

No site do Criança e Consumo tem um material de apoio bem completo para quem quiser organizar a sua Feira de Trocas de Brinquedos! Está tudo mastigadinho, com orientações práticas sobre o que fazer antes, durante e depois da feira, um guia de combinados para orientar as crianças durante a troca, além de todo o material gráfico, como convite virtual e cartaz. É só fazer o download (gratuito).

Feira de Troca de Brinquedos

Exemplo de cartaz de divulgação de Feira de Troca de Brinquedos disponível para download no site do Criança e Consumo

E para quem quiser organizar uma feira maior, aberta ao público, o site também disponibiliza um modelo de release para ser distribuída para a imprensa e divulgar seu evento!

É realmente muito inspirador! Vamos ajudar a compartilhar essa ideia?