Comportamento

Lojas e dicas para a compra do material escolar

De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae), somente em 2018, o preço dos materiais escolares sofreu um aumento médio entre 5% e 8%!

Quem já comprou o material escolar deste ano? Deixe aqui nos comentários a dica de onde você comprou. Valeu à pena?

giz de cera

Como já contei aqui, neste ano meu filho está indo para o 1o ano do ensino fundamental e, consequentemente, tem uma lista de material mais gordinha. Fiz uma pesquisa pela internet nas seguintes lojas:

No Instagram do blog pedi dicas de papelarias e lojas para compra de material escolar! Confira lá aonde as mães estão indo comprar!

papelaria volta as aulas

Na minha pesquisa achei difícil achar uma loja mais barata em tudo… Por exemplo, na loja X o bastão de cola era mais barato, mas na loja Y o estojo de canetinha valia mais a pena. Isso quando o material não estava em falta. Aí fica difícil, né?

Para ajudar a economizar, a Associação de consumidores PROTESTE recomenda que a gente verifique se há produtos que podem ser reaproveitados do ano anterior. Mas acho que essa recomendação não serve muito para quem vem da educação infantil, onde quase todos os itens são de papelaria coletiva. Eu fiz essa checagem e o único produto que vou reaproveitar do ano passado é uma tesoura sem ponta :/, além das mochilas e lancheiras.

Outra dica que a PROTESTE dá é de verificar com a escola quais são os períodos de utilização dos materiais solicitados na lista, dando a opção de fracionar a compra (e assim diminuir as contas no começo do semestre).

Realizar o pagamento à vista ou em pequenas parcelas também é recomendando. Desta forma, você não fica comprometida o ano inteiro com dívidas.

Quanto às práticas abusivas, bom saber:

  • A instituição de ensino não pode solicitar a compra de materiais que sejam de uso coletivo, usados na área de higiene ou limpeza, como*:

1. Canetas para lousa;
2. Carimbo;
3. Álcool hidrogenado;
4. Giz branco ou colorido;
5. Grampeador;
6. Grampos para grampeador;
7. Ploto para quadro branco;
8. Papel higiênico;
9. Algodão;
10. Flanela

* lista publicada no site da PROTESTE

  • Outra pratica abusiva é o ato de determinar em qual estabelecimento comercial a compra deverá ser realizada ou determinar marcas.

Você tem alguma dica especial para a compra do material escolar? Deixe a sua dica aqui nos comentários!

Comportamento

Prepare-se para a compra da lista de material escolar 2018

Dezembro e janeiro são meses de presentes, férias, viagens e… Gastos, muitos gastos, incluindo aí a temível LISTA DE MATERIAL ESCOLAR! (dá arrepio só de falar)

material escolar

Foto: Pexels

Começar o ano novo com dívidas e no vermelho não é boa coisa. Só que é aquela história, né? Não tem como fugir dos gastos do material escolar do ano seguinte. O que podemos fazer é tentar diminuir ao máximo o impacto que isso causa no nosso orçamento.

Por isso o planejamento financeiro doméstico é tão importante!

Como contei em outro post sobre mudança de escola, meus filhos estarão em um colégio novo e isso quer dizer:

Lista mais completa de material escolar, uma vez que meu filho mais velho está indo para o primeiro ano do ensino fundamental. Agora começam os gastos com os livros!

Uniforme – Em geral, independente da escola, os uniformes não são nada baratos. Nunca vi alguém falando que o uniforme da sua escola é super em conta.

Ou seja, é puxado!!

Por isso procurei a orientadora financeira Dora Ramos, que nos deu algumas dicas sobre economia. O que podemos fazer para a compra do material escolar doer menos no bolso? Como lidar com tantos gastos de fim de ano?

Para quem está com dívidas, a coisa fica pior ainda! Por isso, Dora Ramos sugere: organizar as finanças, evitar gastos desnecessários e negociar para pagar o menor valor possível aos credores. “Para começar, é fundamental que os endividados não sejam vítimas do bombardeio de ofertas desta época de festas e adquiram novas dívidas de longo prazo”, explica.

Cortar gastos considerados supérfluos pode ser necessário, segundo a especialista: “Aquela viagem de fim de ano pode ser adiada; aquela pizza não é tão fundamental assim durante a semana; seu cachorro pode sobreviver sem aquele brinquedinho; e seu cabelo, com certeza, não precisa visitar o salão de beleza com tanta frequência. Já na ida ao supermercado, opte por marcas mais acessíveis, pois aqueles poucos centavos que nunca foram levados em conta vão fazer sentido nesse período”.

São pequenas economias que podem fazer a diferença na hora de comprar o material escolar.

E apesar das lojas e papelarias incentivarem as compras somente em janeiro, algumas escolas já liberam a lista em dezembro. Portanto, dependendo do seu planejamento, as compras já podem ser feitas desde já.

“Comprar agora em dezembro pode ser uma boa opção, se os pais acompanham os preços e conseguem perceber que, historicamente, no ano seguinte os preços dos materiais básicos – como cadernos, papel sulfite e canetas – não apresentam descontos nos valores. Há, portanto, um estímulo para postergar a compra. É importante observar se, no momento de adquirir os produtos, a compra será feita dentro de um planejamento em que o investimento feito não vá comprometer o orçamento geral”, explica Dora Ramos.

E na hora do pagamento, a orientadora financeira afirma que a melhor opção é comprar à vista e, se possível, com desconto. “O uso do 13º pode contribuir para uma compra economicamente mais viável”, completa.

Comportamento

Estudo revela diferentes tipos de pais e os reflexos que causam na infância. Que tipo de pais vocês são?

criança feliz

Você já parou para pensar que tipo de mãe/ pai é você e como isso pode refletir no comportamento dos filhos? Porque, né, mãe não é tudo igual não…

O canal Gloob, em parceria com a consultoria Play – Pesquisa e Conteúdo Inteligente, a curadoria de conhecimento Inesplorato e o Instituto de Pesquisa Quantas, realizou uma pesquisa para mapear os diferentes tipos de cuidar e os reflexos que causam nas características comportamentais das crianças.

Chamado “Vem de Casa”, o estudo apontou três diferentes tipos de pais em relação ao modo com que cuidam dos filhos. Em qual desses tipos de pais você se identifica?

·         É normal você se identificar e transitar entre um tipo e outro, assim como as crianças também podem expressar mais de um desses comportamentos. A pesquisa foi realizada com mais de 1 mil entrevistas.

Balança (41%)

Os pais “Balança” estimulam a curiosidade e a autoexpressão dos filhos, além de discutirem e os consultarem, com frequência, sobre as decisões. Os filhos dos pais “Balança” são questionadores, colaborativos, independentes e espontâneos.

Sinal Verde (22%)

Os responsáveis do grupo “Sinal Verde” permitem que as crianças regulem suas próprias atividades, são poucos exigentes quanto à ordem e aceitam com mais facilidade os impulsos e desejos das crianças. Os filhos dos pais “Sinal Verde” são curiosos, individualistas e com grande acesso a informações.

GPS (37%)

Já os pais “GPS” apresentam um nível de controle maior em relação aos filhos. As regras, proibições e restrições são nítidas e valorizam o respeito pela autoridade e pela ordem. Entre os pais “GPS” predominam crianças mais obedientes, com características pouco questionadoras e que nem sempre expressam suas vontades

O estudo revelou outro dado importante: apesar de 97% dos pais acreditarem que brincar é importante para o desenvolvimento do filho, apenas 64% brincam às vezes, segundo os filhos.

Confiram outras informações da pesquisa:

Infográfico Dossiê 2017 Gloob

·         Para o “Vem de Casa” foram realizadas mais de 1 mil entrevistas com pais e crianças entre 06 e 09 anos, de diferentes regiões do país, que compõem as classes ABC e que têm acesso aos canais infantis da Tv Paga. O estudo foi realizado em três fases – uma curadoria sobre a infância, comandada pela Inesplorato; uma etapa quantitativa conduzida pela Quantas; e a Home Invasion, realizada pela Play.

Em 2015 o canal Gloob também divulgou uma pesquisa realizada com crianças de 6 a 9 anos revelando o comportamento da geração “on demand“.