Comportamento

Dia Internacional da Síndrome de Down

Em 21 de março é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down. A data existe desde 2006 e foi instituída pela Down Syndrome International.

Para saber um pouco mais da importância dessa data, tanto para os pais quanto para a sociedade, chamei Flávia Cristina Batista, mãe de 3 garotos lindos: Vinícius (9 anos), João (6 anos), ambos com síndrome de Down, e Raul (2 anos). Ela fez um depoimento lindo e muito importante! A palavra é dela:

entrevista flavia_dia internacional sindrome de downSou māe de dois meninos com síndrome de Down. Para mim, o dia 21 de março representa a CONQUISTA, a busca pelos seus direitos. É sempre um desafio constante para os pais a busca pela aceitação dentro dessa sociedade preconceituosa. Mas o que vale é mostrar o quanto sāo crianças amorosas, carinhosas, inocentes, inteligentes e capazes de conquistar o seu espaço. Na minha visão, para a sociedade, o maior desafio ainda é o preconceito, a falta de informação sobre o assunto e sobre o potencial das pessoas com Síndrome de Down, o que elas sāo capazes de fazer e aonde podem chegar”.

Conheçam o site da Down Syndrome International: https://ds-int.org/

Comportamento

Lei torna obrigatório o ensino de artes visuais, dança, música e teatro na educação básica

Photo credit: asleeponasunbeam via Visualhunt / CC BY-NC-ND

No último mês tivemos uma grande novidade no que diz respeito à educação e à cultura: em 23 de fevereiro foi aprovado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte a proposta que torna obrigatório o ensino de artes visuais, dança, música e teatro na educação básica.

Pela legislação atual, apenas a música é conteúdo obrigatório. As escolas deverão implantar as mudanças no prazo de cinco anos.

Para comentar a nova lei, chamei a educadora musical Andréia Lima, professora de artes para bebês e crianças e idealizadora do projeto “Musiqueira – produção cultural para bebês e crianças“:

andreia lima_musiqueira

“A arte faz parte do ser humano e inserir as quatros modalidades (música, dança, artes visuais e teatro) na educação básica é uma grande conquista para os educadores especialistas, para a criança que através das artes descobrem o mundo e sua história, e para os pais que podem acompanhar o desenvolvimento dos seus filhos de uma forma divertida. Quem nunca cantou, dançou com seu bebê e interpretou uma história ou foi inspiração para um desenho? As quatro artes são para apreciação, produção e reflexão. O educador especialista tem papel fundamental para fazer valer a lei. Não é simplesmente fazer arte, mas conhecer a origem, saber o porquê da sua importância. As artes precisam ter seu próprio espaço na escola sem restrições. É diversão sim, mas acima de tudo é cultura”.

E você, o que achou?

* Andreia Lima é educadora musical, professora de artes para bebês e crianças e idealizadora do projeto “Musiqueira – produção cultural para bebês e crianças”. Realiza oficinas musicais para bebês, crianças e educadores da primeira infância. Contato: https://www.facebook.com/musiqueiraartes e http://musiqueiraartes.com.br

>> Confira a entrevista com a educadora musical Andréia Lima sobre os benefícios da musicalização infantil. Clique aqui para ler.

Comportamento

Afterschool: para depois (ou antes) da escola. Testamos aula de Le Parkour infantil!

Dia desses levei meu filho mais velho para conhecer o Afterschool, um centro de educação para o contraturno escolar, voltado para crianças de até 12 anos. O Afterschool fica no bairro de Alto de Pinheiros e funciona em 2 períodos do dia com cursos regulares. Os pais podem escolher deixar os filhos durante toda a semana ou somente em determinados dias da semana, mas sempre por um período inteiro (manhã ou tarde).

O centro oferece uma grande variedade de atividades para as crianças, como música, inglês e culinária, mas o que me chamou muito a atenção foi a aula de Le Parkour infantil. Na verdade levei meu filho exclusivamente para essa aula (mas por enquanto só é possível matricular por um período inteiro, que seria das 8h às 12h ou das 13h30 às 17h30, ou por um período de 2 horas vinculado à aula de inglês 2 x na semana). Fiquei empolgadíssima, porque é um tipo de atividade que quase não se oferece nos espaços infantis que existem hoje em dia. E, bem… ele já meio que pratica parkour na sala de casa hahah Para quem não sabe o que é Le Parkour, veja o vídeo lá embaixo! É um treino de obstáculos, como escalar muros, saltar de degraus, equilíbrio do corpo etc.

Óbvio que ele adorou a aula experimental! E eu, como mãe de um molequinho que tem energia de sobra (graças a Deus), achei super inovador! Confiram as fotos de divulgação da aula de Parkour infantil:

Foto: After School/ divulgação

Foto: Afterschool/ divulgação

After school

Foto: Afterschool/ divulgação

A casa onde funciona o Afterschool é linda, espaçosa e dá gosto de ver o material e mobiliário… tudo novinho (o espaço abriu em janeiro). Eles têm uma proposta pedagógica muito interessante e é uma ótima alternativa para as crianças que estudam meio período e os pais trabalham fora o dia todo. Também oferecem opção para contratar almoço e transporte.

Aqui não temos a necessidade de um lugar no contraturno da escola, mas eu fiquei muito entusiasmada com a aula de Parkour… seria um curso extracurricular bem interessante para gastar toda essa energia das crianças 😉

E para quem não sabe o que é parkour, achei um vídeo bem legal da Tracer, a primeira academia de Parkour do Brasil. Vejam o vídeo com as crianças da academia, que máximo! A Tracer também oferece aula de Parkour kids!

Serviço:

Afterschool Educação:
http://afterschool.net.br/

Tracer
http://www.tracer.com.br/