Comportamento

Educadora musical Andréia Lima fala sobre os benefícios da musicalização infantil

Difícil encontrar alguém que não goste de música. Música desperta, acalma, emociona, relaxa, produz endorfina! E nas crianças, você sabe qual efeito que ela pode proporcionar? Para quem estiver procurando por uma atividade extra para os filhos ou até mesmo para entender a importância das aulas de música na escola, esse post foi feito para você!

musicalização infantil

Photo credit: JeremyOK via Visual Hunt / CC BY-NC

E não estou falando de uma criança de 10 anos ir para a aula de bateria, hein? Meu filho mais velho frequentou aula de musicalização infantil quando tinha 8 meses (comigo junto, claro). Ele adorava, era um momento super educativo e divertido ao mesmo tempo. Explorava os instrumentos musicais com muita curiosidade e animava-se com as canções e brincadeiras musicais. E, no meio de uma aula tão lúdica, meu filho, que sempre foi agitadinho, ficava mais concentrado, aprendia a seguir o grupo e a participar das atividades propostas. Isso sem contar com a socialização com outras crianças (ele ainda não ia à escola ainda). Foi enriquecedor, com certeza! E ainda é! Atualmente a música está presente para ele tanto nas aulas de musicalização quanto nas de inglês na escola. Muito mais fácil aprender cantando, não é?

E para falar sobre musicalização infantil, chamei a educadora musical Andréia Lima*, idealizadora do projeto “Musiqueira – produção cultural para bebês e crianças“. Ela me contou que os bebês a partir de 4 meses já podem participar de oficinas de música: “Nesta fase a maioria reage com alegria quando escuta um som que gosta e a mãe se sente mais segura”. Confira abaixo a entrevista completa e leia algumas dicas para fazer brincadeiras musicais em casa com seus filhos:

andreia lima

Quais os benefícios da musicalização infantil?
A musicalização infantil contribui para o desenvolvimento das habilidades como lateralidade, concentração, atenção, raciocínio lógico, socialização, sensiblidade e musicalidade, que colaboram para a formaçao da criança como indivíduo.

A partir de que idade os bebês podem frequentar aulas de música?
Eu trabalho com bebês a partir de 4 meses, pois nesta fase a maioria já consegue conter o choro quando escuta o som de um objeto, reage com alegria quando escuta um som que gosta e a mãe se sente mais segura.

Em geral, como são as atividades para os bebês? E para as crianças?
Quando mais novo o bebê, mais brinquedos musicais, e, para as crianças, mais instrumentos e músicas com movimento. As atividades trabalham as habilidades, mas sempre respeitando a linguagem de cada fase. Posso utilizar a mesma música para todas as fases, mas de uma forma diferente.

Em casa, como podemos “brincar de música” com nossos filhos, além de cantar para eles?
Pode fazer batuque com objetos da casa com panelas  e colheres, sons com o corpo como do beijo, cavalo e chuva – eles adoram! Pode-se criar histórias para as crianças fazerem os sons e também brincar de regência com uma musica clássica, assim se estimula a criatividade e percepção auditiva.

Existe alguma diferença na percepção musical entre meninos e meninas? Pelo que observo, as meninas são mais soltas, gostam de dançar mais… isso existe mesmo?
Essa pergunta é muito interessante! As meninas são consideradas mais afinadas do que os meninos e são também mais estimuladas ao movimento, mas acredito que isso seja uma questão cultural. Raramente os pais estimulam seus filhos a dançarem, mas também temos mais meninos musicistas do que meninas. Então acredito que a diferença perceptiva seja mínima.

* Andreia Lima é educadora musical e idealizadora do projeto “Musiqueira – produção cultural para bebês e crianças”. Realiza oficinas musicais para bebês, crianças e educadores da primeira infância. Contato: https://www.facebook.com/musiqueiraartes e http://musiqueiraartes.com.br