Saúde & Alimentação

Meu filho não come! Dicas para ajudar na alimentação das crianças

meu filho não come vegetais

Alimentação das crianças é sempre um assunto interessante! Que mãe nunca ficou preocupada com o filho, que come pouco ou com a filha que passou a ser seletiva e exigente demais na hora da alimentação?

Aqui em casa estamos numa fase até que boa, digamos assim. Aos poucos meus filhos estão se interessando mais por saladas e legumes. O meu filho mais velho, de 5 anos, ama frutas, mas por outro lado decidiu que não gosta mais de feijão. Já a filha caçula come feijão, mas não gosta de experimentar frutas novas.

No último final de semana rolou o Descomplica Mãe, evento materno do qual tive a honra de ser uma das blogueiras embaixadoras. Durante todo o dia palestrantes de diversas áreas participaram do talk show comandado pela jornalista e apresentadora Mariana Ferrão.

Uma das convidadas foi a nutricionista Maria Luiza Petty, autora do livro “Lugar de Criança é na Cozinha”, que nos ensinou muito sobre alimentação infantil. Tenho certeza que as dicas que ela passou na palestra poderão te ajudar em casa também!

Maria Luiza Petty

Em primeiro lugar: Malu Petty explicou que o gosto pelo sabor doce e a aversão pelo amargo/ azedo é inato. Ou seja, já faz parte das crianças. Por isso, temos que ensinar os pequenos a gostarem de amargo e azedo – folhas, frutas e verduras. E como fazer isso?

A nutricionista afirma que uma das melhores formas de despertar o interesse da criança pelos alimentos é levar a criança para a cozinha. Mas não com a obrigatoriedade de comer. “Para cozinhar, a criança pode espontaneamente entrar em contato e experienciar o alimento sob diversas formas, isto é, sentir a textura, o cheiro, realmente mexer e se aproximar do alimento”, disse em sua apresentação.

Malu Petty diz que o processo de familiarização do alimento é mais importante do que comer. Fazer as crianças participarem da escolha e da compra dos alimentos na feira e no mercado também ajudam nessa familiarização.

Outra dica que a Malu Petty deu foi em relação ao exemplo que nós damos. Ou seja, se quiser que o filho coma um prato cheio de “verdinhos”, coma também. Se quiser oferecer uma fruta de lanchinho, dê também o exemplo e coma as mais diversas frutas. As refeições em família têm um peso enorme nessa mudança de hábito. De acordo com a nutricionista, sentar-se com os pais na hora do almoço ou jantar dá a oportunidade para a criança observar e aprender com eles. Porque não adianta você ter uma refeição super saudável e balanceada, mas seu filho não vê o que você come.

A Malu Petty apresentou uma tabela com algumas tarefas que as crianças podem fazer na cozinha, e desta forma se aproximar mais dos alimentos e das refeições.

Maria Luiza Petty

E para quem já passou pelo mesmo problema que eu aqui em casa (quando meu filho decidiu que não gosta mais de feijão), a dica é: não force, mas também não deixe de oferecer.  Expus o meu caso para a Malu Petty durante a palestra e ela me respondeu. Vejam o vídeo abaixo:

Dá trabalho levar o filho para a cozinha? Dá. Faz sujeira? Ô! É difícil adaptar-se ao horário de refeição das crianças? Muito! Pelo que eu entendi, estamos falando de pequenos sacrifícios mesmo (para quem, assim como eu, não faz nada disso e reclama que o filho não gosta de alface hahah). Mas vale a pena para mudar os hábitos alimentares dos filhos, não é? Importante ressaltar que essas atitudes – levar a criança para a cozinha, dar o exemplo, fazer a criança se familiarizar com o alimento etc – não devem ser pontuais. Deve tornar-se parte da rotina para fazer algum efeito.

Decoração

Adeus inverno: como guardar roupas de frio, mantas e cobertores

Foto: pexels

Foto: pexels

O inverno foi embora, dando lugar à amada primavera. E o calorzinho (que logo mais será calorão) já está dando as caras, pelo menos aqui em São Paulo.

Oba, então sabe o que já podemos fazer? Tirar de circulação as mantas, os cobertores e as roupas de frio! Vamos guardar tudo, gente! E que venham os tecidos leves, os vestidinhos e os biquinis! Eu sempre faço esse rodízio de roupas na troca de estação porque não tenho muito espaço no meu guarda-roupa e nem no das crianças. E vamos combinar que roupa de frio ocupa muuuito espaço, né?

Mas antes de tudo, LAVE todas as roupas que irá guardar. Por que?

Conversei com Ricardo Monteiro, Gerente Operacional da Quality Lavanderia e ele explicou tudo:

Porque ao utilizar as roupas durante o inverno, elas adquirirem vários tipos de sujeiras (pó, poeira, poluição, migalhas de alimentos, açúcares, etc) que atraem traças e acabam também tendo uma proliferação acentuada de ácaros, os quais vão se multiplicar ainda mais se não lavarmos”.

lavar roupas

Também conversei com a Carla Picoli, personal organizer, que deu várias dicas de quais as melhores formas de armazenar esse monte de roupa! “Na hora de guardar, vá para a parte mais alta dos seus armários, em maleiros ou em espaços sem uso. O importante é abrir espaço nas partes mais baixas para peças em uso na atual estação”, afirma.

1.    Categorize as peças como, casados de lã grossos, os mais finos, moletons, jaquetas, cobertores, mantas e edredons. Uma dica é deixar para fora algumas blusas de meia estação, para uma leve mudança de tempo ou mesmo algum imprevisto.

roupas de la

2.    Guarde em bags de TNT, organza ou a vácuo. Nunca em plásticos, eles abafam e danificam suas peças. As roupas precisam respirar, por isso é importante ser de tecido e não só plástico.

3.    Os sacos a vácuo são ótimos para quem quer mais espaços, é só seguir as instruções corretas de uso do fabricante e você terá mais espaços pois o volume é bem menor depois de comprimido. Esses sacos você encontra em hipermercados e em vários tamanhos.

4.    Use anti-mofos dentro das embalagens (você encontra em supermercados) ou você pode usar os cuidados caseiros: coloque em saquinhos de organza “giz” branco, aquele de quadro negro. Ele absorve a umidade dentro das embalagens.

5.    Folhas de louro dentro das embalagens afastam aqueles indesejáveis bichinhos. Os ácaros, os fungos, os mofos e as traças gostam de lugares abafados, escuros e úmidos.

6.    No final identifique com adesivos cada embalagem para, caso precisar de alguma peça, já saber em qual pegar. Caso você queira guardar por pessoa coloque o nome, fica bacana também. As peças delicadas, mais finas ou com aplicações e bordados você pode usar um pedaço de TNT entre as peças, evitando contato entre elas.

7.     Falando das jaquetas, principalmente as de couro e sintéticos, jamais guarde-os dobrados e embalados, mantenha-os sempre pendurados em cabides, se possível use capas em TNT para protegê-los da poeira.

Saúde & Alimentação

Época de maior incidência de catapora se aproxima

Photo credit: hubertk via VisualHunt.com /  CC BY-NC-SA

Photo credit: hubertk via VisualHunt.com / CC BY-NC-SA

Eu sei, eu sei, coração de mãe nunca consegue se acalmar. Agora que o inverno está nos dando uma trégua, levando para longe as gripes, os resfriados e consequentes infecções respiratórias, está se aproximando o período de maior incidência da catapora.

Recebi um material super completo sobre a doença e quero compartilhar com vocês!

A catapora (ou varicela) pode ocorrer durante todo o ano, mas é no final do inverno até a primavera (agosto a novembro) que a ocorrência de surtos é mais comum. Para prevenir, as crianças devem ser vacinadas. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomendam duas doses da vacina contra a varicela: a primeira aos 12 meses e a seguinte a partir dos 15 meses de idade, com um intervalo de 3 meses da primeira dose.

O período de incubação do vírus é de 4 a 16 dias e a transmissão ocorre entre 1 a 2 dias antes do aparecimento das lesões de pele e até cerca de 6 dias depois. Além de manchas vermelhas e bolhas no corpo, a doença também causa mal-estar, cansaço, dor de cabeça, perda de apetite e febre baixa.

No período que as bolhas estiverem secando e formando crostas na pele, é comum sentir muita coceira. Mas é muito importante que as crianças não cocem as feridas, pois as lesões na pele podem ser infectadas pelas bactérias das unhas ou de objetos utilizados para coçar. Para diminuir a coceira, o ideal é fazer compressa de água fria.

A Dra. Evely Tanaka, Gerente Médica de Vacinas da GSK esclarece 10 mitos e verdades sobre a catapora, confiram:

1)  Somente crianças podem contrair catapora

Mito: apesar de mais comum em crianças, qualquer pessoa pode contrair a doença ao longo da vida.

2) Quem teve catapora pode ter herpes zóster no futuro

Verdade: qualquer pessoa que teve catapora em algum momento da vida pode desenvolver herpes zóster. Uma vez adquirido o vírus, a pessoa fica imune à catapora. No entanto, esse vírus permanece em nosso corpo a vida toda e pode, ou não, ser reativado e causar o Herpes-Zoster, conhecido também como cobreiro.

3) Adultos não podem tomar a vacina

Mito: A vacina está indicada também para adultos que estejam susceptíveis e que não tenham contraindicações.

4)  Pode-se contrair catapora mais de uma vez

Verdade: Geralmente quem teve catapora fica imune, porém, em casos raros uma pessoa que já teve a doença pode não ficar imune, especialmente os imunocomprometidos.

5)  Todas as marcas de catapora na pele são permanentes

Mito: Geralmente as lesões evoluem para a cura mas algumas pequenas cicatrizes podem permanecer indefinidamente.

6) Coçar a pele favorece a infecção bacteriana secundária

Verdade: Coçar as lesões pode favorecer infecções secundárias, que são as principais causas de internação de pessoas com varicela. A complicação mais comum é a infecção da pele, em geral pela introdução de bactérias nos ferimentos através da coçadura.

7)  Se a gestante já teve a doença, o bebê não precisa ser imunizado

Mito: a imunidade transferida para o feto pela mãe que já teve varicela, assegura, na maioria das vezes, proteção até 4 a 6 meses de vida extrauterina.

8) A contaminação é feita pelo ar

Verdade: o contágio acontece por via respiratória, mas também através do contato com o líquido da bolha ou pela tosse, espirro e saliva ou por objetos contaminados pelo vírus.2

9) Crianças com catapora podem adquirir pneumonia

Verdade: as principais complicações da catapora, nos casos graves ou tratados inadequadamente, são a encefalite, a pneumonia e infecções na pele e ouvido.

10) Gestantes não podem tomar a vacina

Verdade: a vacina contra a varicela está contraindicada durante a gravidez.