Saúde & Alimentação

Doenças respiratórias também atacam na primavera

A gente costuma achar que as crianças só sofrem com as doenças respiratórias no outono e no inverno, não é? Mas no dia a dia percebemos que não é assim! As crianças também adoecem na primavera e o que mais ouvimos de explicação é: “muita mudança de temperatura”. Parece até uma resposta meio clichê, mas o pior de tudo é que é verdade. Aqui em casa os dois ficaram bem ruinzinhos na entrada da estação e fui atrás de informações para entender o porquê das crianças também ficarem doentinhas nesta época do ano e o que podemos fazer para prevenir os sintomas.

flores no campo

O principal causador das doenças respiratórias é o tempo seco, acúmulo de poeira e poluição. E, mesmo com a ocorrência de chuvas e as passagens de frentes frias, por conta das mudanças bruscas de temperatura, a primavera ainda conta com dias de tempo seco. “Isso contribui com o ressecamento da mucosa das fossas nasais e da boca, o que facilita a entrada de poluentes, vírus e bactérias responsáveis por diferentes tipos de doenças respiratórias e reações alérgicas”, afirma o pneumologista, Dr. Carlos Carvalho, coordenador do Serviço de Pneumologia do HCor – Hospital do Coração.

Para prevenir as doenças respiratórias e alergias (aqui em casa ambos têm rinite), os cuidados são praticamente os mesmos que os do outono/ inverno: tomar bastante água, limpar o nariz com soro fisiológico, manter o ambiente arejado e limpo.

bebê doente

A pneumologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Dra. Denise Onodera, fez uma lista com as cinco dicas mais importantes para evitar as doenças respiratórias na primavera:

  1. Beba muito líquido e consuma alimentos ricos em água.
  2. Hidrate as narinas com soro fisiológico ou água.
  3. Utilize aparelhos umidificadores ou vaporizadores de ambiente. Caso não tenha os aparelhos, coloque bacias com água ou toalhas molhadas nos cômodos.
  4. Evite carpetes e tapetes nos quartos. Em pisos lisos, utilize pano úmido para limpeza.
  5. Evite plantas, animais e bichos de pelúcia no quarto.

Quem tem criança alérgica em casa, sabe que não é brincadeira. As “ites” atacam pra valer, ainda mais para quem mora em grandes centros urbanos, como São Paulo. Nesta última semana os meus dois filhos ficaram doentes e contei em um post como foi dureza… rolou até um “cantinho do choro da mamãe” rs. Cliquem aqui para ler!

 

Saúde & Alimentação

Dia D de multivacinação: tem até desconto do Uber nas corridas neste sábado

“Todo mundo unido, fica mais protegido”

Neste sábado, dia 24 de setembro, os postos de vacinação estarão abertos para o Dia D de Multivacinação. Promovida pelo Ministério da Saúde, a campanha começou no dia 13 e tem como objetivo atualizar a carteira de vacinação das crianças (menores de cinco anos e de nove anos) e dos adolescentes (entre 10 e 15 anos incompletos).

Com a campanha de vacinação, que vai até o dia 30 de setembro, o Ministério espera a redução das doenças imunopreveníveis no país e diminuir o abandono à vacinação. Serão disponibilizadas vacinas do calendário da criança e do adolescente, como tuberculose, rotavírus, sarampo, rubéola, coqueluche, caxumba, HPV, entre outras.

E olhem que iniciativa boa do Uber (empresa de transporte privado urbano): no dia 24 será possível solicitar o UberGotinha com desconto de R$ 20 para duas viagens! O desconto vale exclusivamente para ir e voltar das unidades de saúde. Os postos participantes desta iniciativa do Uber estão listadas no blog da empresa, assim como o código promocional que garante o desconto na corrida (clique aqui para ver as unidades de saúde participantes).

Dia D Multivacinação

Todo mundo unido, fica mais protegido

 

Saúde & Alimentação

Alerta do CEATOX! Plantas comuns em casas e jardins podem ser tóxicas para as crianças

Você sabia que muitas plantas comuns em casas e jardins podem ser extremamente tóxicas para as crianças (para os adultos também), causando desde lesões, náuseas, vômitos, diarréia até taquicardia, alucinações e parada cardíaca?

Não é brincadeira e essas plantas venenosas podem estar na nossa varanda sem nos darmos conta do perigo! Um exemplo? Comigo- ninguém-pode, espada de São Jorge e jiboia são algumas das plantas tão frequentes em decorações, porém tóxicas! Se ingeridas, causam lesões na mucosa, dor e queimação na boca e lábios, edema (inchaço) em língua e lábios. Outras plantas, como o caso do antúrio, causam irritação na pele só de encostar. (LEIA A LISTA DE PLANTAS TÓXICAS NO FINAL DO POST)

Comigo Ninguém pode

Comigo Ninguém Pode / Photo credit: Starr Environmental via VisualHunt / CC BY

Aí você fala: ahhhhh, mas meu filho não vai comer planta!! Não é bem assim! De acordo com a Dra. Luciana de Oliveira Toledo, farmacêutica bioquímica e profissional do Centro de Assistência Toxicológica (CEATOX), a maior incidência de casos de intoxicação por plantas está relacionada com crianças, geralmente de 0 a 8 anos. “A curiosidade em explorar as plantas e as brincadeiras de ‘cozinhar’, acabam resultando em ingestões acidentais”, explica. No ano de 2015, o CEATOX recebeu 239 casos de intoxicação com plantas.

Espirradeira

Espirradeira / Photo credit: Mauricio Mercadante via Visualhunt.com / CC BY-NC-SA

Seguindo os dados de atendimento e casos registrados, a Dra. Luciana de Oliveira Toledo dá algumas recomendações bem importantes. Achei muito relevante ela advertir sobre ensinarmos as crianças a não brincarem com as plantas, principalmente de “comidinha”.

– Atenção para conhecer as plantas perigosas da região, da casa e do quintal. (Eu mesma, fazendo esta matéria para o blog, acabei de descobrir que tenho uma planta jibóia no meu quintal. Óbvio, será doada amanhã mesmo!)

– Atenção, grande número de casos ocorre quando os pequenos estão com fome e, ao menor descuido, levam à boca o que mais fácil tem ao seu alcance;

– Atenção no preparo de chás ou remédios com plantas sem o conhecimento da espécie;

– Atenção em ensinar os pequenos a não colocarem plantas na boca nem utilizá-las como brinquedos/alimento;

Atenção com algumas podas em plantas que liberam látex, pois elas podem atingir a pele e os olhos causando irritações e/ou ulcerações.

– Atenção em não permitir as crianças mascarem ou chupar folhas, sementes ou qualquer outra parte das plantas.

Meu filho mais velho tem aquela curiosidade bem aguçada de mexer em tudo quando estamos andando na rua. E é nesse momento que tenho que ficar de olho, alertando que ele não pode ficar mexendo nas plantas da rua, que algumas são perigosas, que têm veneno, etc.

Agora vem a pior parte: O que fazer se a criança ingerir uma planta tóxica?

Antúrio

Antúrio / Photo credit: Vitor Pamplona via Visual hunt / CC BY

Segundo a Dra. Luciana, em geral, na população infantil, as intoxicações são diagnosticadas com base nos relatos de familiares que presenciam a criança ingerindo a planta. “É muito importante quando há uma possível ingestão que os pais levem a criança a um pronto atendimento o mais rápido possível e leve a planta ou parte dela para que o médico consiga avaliar se há algum risco e como deve proceder com o tratamento clínico. Caso não seja possível levar a um serviço de saúde é importante ligar para o 0800 014 8110 – CEATOX, para os familiares receberem as orientações iniciais e se há realmente algum risco”, explica.

“Na dúvida ou suspeita de ingestão da planta, leve a criança ao médico”

E quando bate a dúvida se ingeriu ou não?

“Caso não tenha certeza se houve a ingestão e a criança apresenta bom estado geral (nenhuma alteração sintomática), é recomendado deixar a criança em pausa alimentar por duas horas e em observação dos responsáveis. Um dado importante: caso haja alguma ingestão “não dar leite” pois os sintomas podem piorar ou iniciar um nauseamento em uma criança que iria permanecer com um quadro assintomático. Fornecer leite após ingestão de algum agente tóxico é uma crença popular brasileira, totalmente contraindicada por nosso centro e infelizmente muito realizada até hoje”, explica a farmacêutica.

Conheçam as plantas mais comuns em intoxicações e seus efeitos. Os casos mais frequentes, segundo Dra. Luciana de Oliveira Toledo, do CEATOX, são as que provocam lesões na mucosa, como comigo-ninguém-pode, espada de São Jorge e jibóia.

Espada de São Jorge

Espada de São Jorge / Photo credit: Capitu via VisualHunt.com / CC BY-NC

Mamona, pinhão-paraguaio, pinhão-roxo, joá: causam náuseas, vômitos, diarréia, dor abdominal.

Saia-branca (trombeteira), estramonio, dama da noite, doce-amarga: causam taquicardia, dilatação pupila, retenção urinaria, pele e mucosas secas, rosto avermelhado, aumento da temperatura corporal, alucinações.

Comigo-ninguém pode, espada de São Jorge, jibóia, antúrio, tinhorão, inhame-bravo, espirradeira, bico-de-papagaio, chapéu-de-napoleão: causam hipersalivação, dor e queimação na boca e lábios, edema (inchaço) em língua e lábios.

Antúrio: Em contato com a pele, a seiva produzida provoca irritação. Quando ingerida há náuseas, vômitos, salivação e dificuldade de engolir. Em contato com os olhos pode causar irritação e até lesão de córnea.

Espirradeira: se ingerida, pode provocar parada cardíaca

Crisântemo: A flor possui uma substância, a piretrina, que pode causar alergias em geral, desde espirros, bronquite e urticária.

É gente, com criança não dá para vacilar… temos que ficar de olho o tempo todo e, principalmente, alertar os pequenos que as plantinhas devem ficar no lugar delas: sem brincadeiras e sem arrancar. E, pelo sim, pelo não, melhor dar uma averiguada no jardim e varanda de casa!

Leia também:

CEATOX: tenha o telefone sempre à mão