Comportamento

Mudança de escola? Confiram dicas para ajudar nessa difícil decisão

mudança de escola

O processo de mudança de escola mexe com a família inteira. Photo credit: Lupuca via Visualhunt.com / CC BY-SA

Meus filhos, assim como muitas outras crianças, mudarão de escola no ano que vem. O mais velho, com 5 anos, vai sair da educação infantil e ingressará no 1º ano do ensino fundamental. Passamos por alguns meses de muita busca, pesquisas e dúvidas, afinal, queria escolher a escola mais adequada para os meus filhos (a Alice ainda está na pré-escola, mas vai mudar junto com o irmão por uma questão de logística).

Esses últimos meses de busca pela escola nova foram com um certo aperto no coração: ver que o filho está crescendo e se desenvolvendo bem talvez seja a melhor retribuição da maternidade. Mas sair de uma escola infantil pequena (onde todo mundo conhece todo mundo, onde você ainda recebe recadinhos na agenda avisando se ele jantou bem ou não) e ir para uma escola “grande”, dá um nózinho na garganta.

É, meu filho, acabou a molezinha: vai começar a alfabetização! Escola nova, amigos novos, professores novos… Tudo novo… para eles e para mim também, né?

E já que em breve entraremos na temporada de matrículas e reservas de vagas, separei algumas dicas para auxiliar outras mães que estão na busca de uma escola nova para os filhos (ou vão entrar ainda neste processo)! Para chegar na decisão final, eu fiz a seleção por exclusão.  Achei mais fácil para mim!

Segundo a presidente nacional da Associação Brasileira de Psicopedagogia, ABPp, Luciana Barros de Almeida, os fatores que precisam ser levados em consideração são: a localização próxima à moradia (no caso das cidades maiores), modo de ensinar, valores da instituição (que devem estar afinados com os da família); custo (que deve caber no bolso); entre outros. Foram exatamente esses itens que considerei!

Localização

Para nós, a seleção começou a partir daí! Eu queria uma escola no bairro em que moramos (ou bem próximo). Morando em São Paulo, não gosto da ideia de perder muito tempo no trânsito com as crianças. Além disso, pense no meio de transporte: a pé, ônibus, carro ou van? Se for utilizar transporte escolar, questione a escola sobre empresas parceiras.

Mensalidade

Sei que existem escolas ótimas, mas que estão muito além do que posso arcar. Por esse motivo, algumas nem entraram na minha lista de escolas para conhecer. Já vi pais dispostos a fazer verdadeiros sacrifícios financeiros para pagar “A ESCOLA” perfeita para os filhos. Mas será que você também está disposto a bancar o mesmo padrão de vida que a maioria dos alunos desta escola cara? Porque o que pagamos não é só a mensalidade, né? Tem os passeios, as atividades extras, viagens (em determinados colégios)… Tudo isso eu levei em consideração. Por outro lado, a mãe de uma amiguinha do meu filho me contou que visitou sim algumas escolas “inatingíveis” para conhecer e poder nivelar por cima. Ou seja, para ela poder ter uma base boa de comparação entre as escolas de diferentes valores. Achei uma ótima ideia a dela!

Método de ensino

Acho legal dar uma pesquisada nos métodos de ensino que existem hoje em dia. Mas também é importante saber que muitas escolas não se rotulam com determinada linha pedagógica, assim como outras fazem um combinado de tudo. O interessante de pesquisar sobre as metodologias é porque você consegue ter um panorama geral: saber com qual tipo de ensino você e sua família se identificam e qual o tipo de ensino que você não quer para o seu filho. Aqui em casa nós não nos identificamos com o método tradicional, conteúdista, onde o professor é o único detensor do conhecimento. Mas ainda acho que o mais importante de saber de cor métodos e linhas pedagógicas, é haver uma identificação entre a família e a escola (Sim, a família, mesmo que morem em casas diferentes).

Sintonia

Isso não estará em nenhum manual pedagógico, mas acredito muito em energia, sintonia. Já entrei em escolas muito boas, mas que na hora percebi que ali não seria legal para os meus filhos. Já em outras escolas, a energia “bateu”: eu conseguia visualizar meus filhos estudando ali, brincando e sendo felizes! Essa mesma sintonia a criança sente também. É estimulante os filhos participarem da escolha, ainda que a decisão final tenha que ser dos pais.

Ansiedade

Em uma das visitas que fiz, uma orientadora alertou para tomarmos cuidado nesse envolvimento da criança. Que por mais que a gente saiba que essa mudança de escola é só para o próximo ano, a percepção de tempo para eles é diferente da nossa. O ano que vem pode ser amanhã para eles! E se não é amanhã, é na semana que vem! Esse assunto pode gerar uma ansiedade desnecessária. Bom, aqui em casa, depois que decidi a escola nova, não toquei mais no assunto. Escola nova, só no ano que vem! Claro, de vez em quando escapa o assunto, mas em geral, evitamos essa conversa com as crianças.

E já que o assunto é ansiedade, leve em consideração que você não está tomando uma decisão para a vida! Tudo bem se não der certo! Se fez a escolha errada, é só mudar… (créditos para o marido, que soltou essa frase diante da minha centésima pergunta: “Será que estamos fazendo o certo?”).

Ainda vou deixar para desdobrar em um próximo post as linhas pedagógicas das escolas de ensino fundamental!

E aí eu queria saber se você já passou por essa fase de mudança de escola. Foi difícil para vocês? Ou foi mais fácil do que vocês imaginavam?

Produtos

Novidade nas prateleiras: Baby Alive versão menino

Chega às lojas, em setembro, a versão masculina de Baby Alive Meu Primeiro Filho! Isso mesmo, gente, finalmente um boneco menino para as crianças poderem brincar – tanto de mamãe e filhinho quanto de papai e filhinho! Porque, né, essa história que boneca é brinquedo de menina está ultrapassadíssima!!

O objetivo da marca foi exatamente fazer com que os meninos se sintam mais incluídos na brincadeira, começando a se ver no boneco. A Hasbro, fabricante da Baby Alive, está de parabéns!!

Espero um dia ver o lançamento de um(a) boneco(a) que fale “papai”. E, do jeito que estamos indo, acho que não demora, né?

Meu Primeiro Filho_baby alive

Desabafo

Dia do combate ao fumo: como consegui parar de fumar

Photo credit: Pachakutik via Visual hunt / CC BY-NC-ND

Photo credit: Pachakutik via Visual hunt / CC BY-NC-ND

Dia 29 de agosto é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Apesar do número de tabagistas ter reduzido no Brasil nos últimos anos, o país ocupa o oitavo lugar no ranking de fumantes no mundo!

Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 25 anos a porcentagem de fumantes diários no país caiu de 29% para 12% entre homens e de 19% para 8% entre mulheres. E posso dizer com o maior orgulho que faço parte dessa estatística!

Comecei a fumar aos 16 anos. Quando percebi, fumava um maço inteiro (do Marlboro vermelho) por dia. Nas noites que eu saía para beber com os amigos, fumava fácil mais de um maço, totalizando 2 maços durante o dia todo. O cigarro fazia parte da minha rotina desde a hora que eu acordava. Podia ser a hora que fosse, mas meu dia só começava depois de uma xícara de café e um cigarro.

Mas também na minha época de fumante era menos restritivo: podia-se fumar em restaurantes, bares, locais fechados, em qualquer lugar! Para ter uma ideia, eu trabalhava em uma assessoria de imprensa cuja dona também era fumante. Naquele escritório era super normal você ter um cinzeiro na sua mesa. Então eu fumava a hora que eu bem entendesse. Na minha mesa! Do trabalho! Que época mais egocêntrica que nós, os fumantes, vivemos, né, sem se preocupar com o vizinho… Ainda bem que tudo mudou. Já viajei na época que era permitido fumar dentro do avião! Não consigo mais imaginar como seria isso!!

Tentei parar algumas vezes. Poucas vezes. Até com aqueles adesivos de nicotina já tentei. Mas não passava de poucos dias até eu acender um cigarro. Casei e depois veio a vontade de engravidar. Dizia para o meu marido que quando eu engravidasse iria parar de fumar pra valer! Tentei engravidar por uns 6 meses e nada. Eu já tinha lido que o tabagismo poderia afetar a fertilidade, mas não conseguia me livrar daquele vício por nada! E também morria de medo de engravidar e não conseguir parar de fumar.

A Gravidez

Eis que a menstruação atrasa e lá fui eu comprar o exame de farmácia para detectar a gravidez. Nunca, nunca vou me esquecer desse dia! Voltei da farmácia, sentei em frente ao computador, acendi um cigarro e falei: esse pode ser o último cigarro que vou fumar, tudo depende do resultado desse exame. Dei longas tragadas, curtindo mesmo aquele momento… o tal do raro prazer, propaganda do antigo Carlton rs. Enfim, apaguei a bituca, fui pro banheiro, fiz o exame e … POSITIVO!!! Voltei para a sala, peguei o maço de cigarro e joguei no lixo.

"Voltei da farmácia, acendi um cigarro e falei: esse pode ser o último cigarro que vou fumar, tudo depende do resultado desse exame". Photo credit: massimo ankor via Visualhunt.com / CC BY-NC

“Voltei da farmácia, acendi um cigarro e falei: esse pode ser o último cigarro que vou fumar, tudo depende do resultado desse exame”. Photo credit: massimo ankor via Visualhunt.com / CC BY-NC

Como eu disse lá em cima, eu já tinha tentado parar de fumar algumas vezes, mas dessa vez me apeguei na gravidez e foi mais fácil do que eu imaginava! Finalmente eu consegui largar o cigarro após 16 anos fumando! A mudança de hábito me ajudou bastante também! Como estava grávida, não tomava mais bebida alcoólica. No início parei de tomar café e troquei por suco de laranja. Depois voltei com o café descafeínado e foi tudo bem.

Aí comecei a comer muito chocolate durante toda a gravidez! Era doce que não acabava mais (mas eu fazia o pré-natal direitinho, então estava acompanhando a taxa de açúcar no sangue).

Eu ainda sentia vontade de fumar, principalmente nos momentos que passava por alguma tensão. Mas eu consegui ser firme, sempre pensando no meu bebê. Lembro muito de um amigo que havia parado de fumar, que disse que a vontade nunca vai embora, ela sempre vai aparecer. O que vai mudar é que você vai conseguir se controlar melhor. Mesmo depois que meu filho nasceu, eu dizia para mim mesma que se eu quisesse muito fumar, tudo aquilo era temporário… eu poderia voltar a fumar se eu quisesse, só tinha que ser depois de desmamar.

Bem, meu filho parou de mamar no peito depois de 1 ano. Ou seja, eu já estava há 1 ano e 9 meses sem fumar. Minha opinião sobre voltar a fumar tinha mudado… Eu já tinha passado tanto tempo sem dar um trago, não podia voltar atrás. Mas ainda sentia vontade de fumar. Quando voltei a tomar cerveja, então…minha nossa!

A Recaída

Foi então que no carnaval, quando o Teodoro tinha 14 meses (e eu 23 meses longe do cigarro), conseguimos um “vale folia”. Deixamos meu filho com a minha sogra no final de semana e fomos pular o carnaval nos bloquinhos de São Paulo. Programa de adultos! Bebemos bastante e me bateu uma vontade incontrolável de fumar. Pedi um cigarro. Sou bem grandinha, não admiti que alguém me negasse um cigarro, né? Sabia muito bem o que estava fazendo.

Nossa, percebi o quão forte é um cigarro. Dei alguns tragos e fiquei super tonta, parecia que estava me dando barato! E não foi viagem minha, não! Li que a nicotina atua no sistema nervoso central da mesma forma que a cocaína, heroína e álcool, porém de maneira mais rápida, chegando ao cérebro entre sete e 19 segundos

Acho que nem consegui fumar o cigarro inteiro. Mas aí sabe o que aconteceu? Bateu novamente a vontade incontrolável de fumar. Falei: quer saber? Não vou ficar filando cigarro! Vou comprar um maço!

Foram muitas horas de carnaval, muitas cervejas e quase um maço in-tei-ro em uma tarde. Nem preciso dizer como foi minha ressaca, né? Parecia que eu ia morrer!

No dia seguinte, a princípio, fiquei chateada por ter quebrado o meu jejum de quase 2 anos sem fumar. Mas eu sabia também que havia sido um impulso de carnaval. O comportamento que resultou naquela vontade incontrolável de fumar não caberia na minha rotina do dia a dia. E assim foi, não pensei mais em cigarro.

Campanha contra o fumo: "Your body is your home. Don`t smoke/ Seu corpo é sua casa. Não fume".

Campanha contra o fumo: “Your body is your home. Don`t smoke/ Seu corpo é sua casa. Não fume”.

Tratamentos

Depois engravidei novamente e estou até hoje sem fumar. Não vou negar que muito de vez em quando dá vontade… Mas do mesmo jeito que a vontade vem, vai embora rápido! Mesmo com as cervejinhas a mais (rs). Uma coisa que eu não sabia é que a dependência química causada pela nicotina do cigarro é reconhecida como doença pela Organização Mundial da Saúde desde 1997.

Jaqueline Xavier, gerente de gestão em saúde da Vitallis Sanitas, operadora de planos de saúde no Brasil, explica que em muitos casos, o tabagista precisa de apoio para largar o vício. “O próprio Sistema Único de Saúde (SUS) oferece desde 2004 um tratamento gratuito nas Unidades Básicas de saúde e nos hospitais para quem deseja parar de fumar e não consegue”, completa.

O tratamento pode passar por grupos de apoio com ajuda psicológica aliado à terapia medicamentosa. A avaliação médica é indispensável para indicar o tratamento ideal personalizado a cada paciente.

Tenho muito orgulho de ser ex-fumante, reconheço o meu esforço e serei eternamente grata ao meu filho Teodoro, pois foi por ele que consegui largar o vício. Mas não julgo quem não conseguiu parar de fumar… Sei que é extremamente difícil. É uma droga, né?

Mas vale a pena tentar, seja quantas vezes for! Quer motivos? O pneumologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Dr. Waldomiro José, explica. “A cada dia sem fumar, diminui o risco de câncer e doenças cardíacas, a respiração fica mais fácil, há melhora no desempenho físico, mental e sexual. Além disso, as pessoas que convivem com o fumante também são poupadas das toxinas, pois não podemos esquecer que os fumantes prejudicam a si mesmos e ao outro, provocando doenças pelo tabagismo passivo. Por último, ainda há benefício econômico, já que não gastarão mais com maços de cigarro”, finaliza.

P.S. Já li que toda vontade que você tem (de tudo: cigarro, chocolate, compras compulsivas, mensagens de texto alterada rs) duram apenas 5 minutos. Então, na hora que bater aquela vontade de fazer besteira…please…espere apenas 5 minutos que passa!