Viagens

8 ciladas que você pode evitar nas viagens com crianças

Férias escolares chegando e muitas famílias estão se preparando para viajar com os filhos! Férias, viagens, bagunça, sair da rotina, dormir tarde… amo! Mas não podemos negar que viajar com as crianças dá um baita trabalhão e requer um certo planejamento, né?

férias com crianças

Foto: freeimages.com

Eu mesma já caí em algumas furadas e por isso fiz uma relação das ciladas mais comuns em férias com crianças. Conversei também com algumas amigas e leitoras, que me ajudaram a criar essa lista! A Marcela, por exemplo, mãe da Ana (5) e da Gabi (2), evita pegar estrada em datas muito concorridas: “Viajar com crianças em datas críticas, tipo Ano Novo, e ficar horas no congestionamento… É meu terror, confesso”.

Já para Luciana, mãe da Malu, de 2 anos, furada é sair de férias com antigos amigos que não têm filhos e que esperam ser uma viagem como nos velhos tempos: “Quando todos ainda estão tomando café da manhã, você já está pensando no almoço”, brinca sobre a mudança de horários que sofremos quando os filhos nascem.

E você já passou por alguma cilada com as crianças em viagens?

  1. Deixar para fazer a mala em cima da hora
    Não precisa fazer a mala com uma semana de antecedência, mas também deixar para arrumar tudo 1 hora antes é pedir para se estressar ou esquecer de alguma coisa. Especialmente se seu filho for bebê, quando levamos o triplo de bagagem!
  2. Viajar sem a cadeirinha no carro
    Furada, cilada, roubada! Perigosíssimo transportar crianças sem a cadeirinha do carro! Além de tudo, é lei, é obrigatório! Até, pelo menos, um ano da idade, bebê conforto; entre um e quatro anos, pode passar para a cadeirinha de segurança; entre quatro e sete anos e meio, assentos de elevação. Na dúvida entre qual modelo usar atente-se ao peso e altura da criança juntamente com as recomendações do equipamento fornecidas pelo fabricante.
  3. Viajar por muitas horas de avião com bebê no colo
    É uma decisão difícil ($$)! Se por um lado a economia de não pagar um assento para o bebê de colo faz uma bela diferença no orçamento, por outro lado ficar com um bebê no colo sentada (e imóvel para não acordar o filho) no assento do avião por várias horas seguidas é beeeeem, mas beeeem incômoda. Já fui para Miami com filho de 11 meses no colo e meu braço quase gangrenou (rs).
  4. Não levar água e lanchinho
    Criança entediada na viagem já é difícil. Criança entediada e com fome/ sede, aí é osso! Tem que fazer uma lancheirinha para levar na viagem, não tem jeito! Outra dica é levar chupetas extras! Quantas vezes no meio da estrada eu pirei porque a filha tacava a chupeta no meio do estofamento e ninguém conseguia achar!
  5. Não levar farmacinha
    Farmacinha, carteirinha do plano de saúde, telefone da pediatra e doses recomendadas… Tudo sempre à mão. Infelizmente pode aparecer uma virose, uma dor de barriga ou mesmo uma alergia a picadas. Passar por uma febre inesperada e estando fora de casa, é muita roubada não ter à mão um remédio que a criança já esteja acostumada a usar.
  6. Não saber nada sobre o destino ou o hotel
    Eu até gosto do movimento “Deixa a vida me levar”, mas com filhos pequenos tudo muda, né? Talvez a desinformação não chegue a estragar a viagem, mas pode gerar um certo desconforto. Por exemplo, vocês chegam no hotel com toda a criançada e descobrem que o lugar é considerado o “melhor resort da América do Sul para curtir a dois e passar a lua de mel”! “Você acaba se sentindo com aquela obrigação de sair falando aquela frase bem conhecida entre as mães: ‘desculpe pela bagunça, desculpe qualquer coisa’”, comentou Luciana, a mãe da Malu. Não que isso não possa acabar virando uma piada depois…
  7. Fotos, poses e vídeos
    Preocupar-se em registrar tooodos os detalhes da viagem, tirando fotos o tempo inteiro para postar no Instagram, no Facebook, fazer lives ou stories e esquecer-se de curtir o momento AO VIVO é uma das maiores ciladas de viagem!
  8. Esquecer a paciência em casa
    E caso algo não saia como o planejado (que é o que geralmente acontece mesmo hahah), não caia na cilada de perder a paciência! Faz parte também! Aproveitem!!

E você, também já passou por alguma cilada em viagem com filhos? Qual a maior furada em férias que vocês já se encontraram?

Passeios

Piquenique de Bonecas da Hasbro no Parque Villa Lobos reunirá 4 mil

Que criança adora um piquenique a gente já sabe! E que tal fazer um piquenique com as bonecas em um grande evento que contará, também, com decoração personalizada, atividades infantis, maquiagem, escultura de balão, parede e casinhas para colorir e berçário para bonecas, além de um show com a banda Trupe Pé de Histórias?

Essa é a proposta da Hasbro, inspirada nos valores de Baby Alive, que espera reunir cerca de 4.000 pessoas no próximo domingo, dia 25 de junho, no Parque Villa Lobos. A ação poderá entrar para o Guinness Book como o maior piquenique de bonecas do mundo. Mas o importante mesmo é ir lá e se divertir com a família (e as bonecas, claro!). O horário do Piquenique de Bonecas é das 9h às 13h e o show com a banda Trupe Pé de Histórias, que reconta histórias por meio da música, está marcado para às 11h30.

Mas atenção: para participar é necessário se inscrever pelo hotsite www.piqueniquedebonecas.com.br até o dia 22. Cada participante pode convidar outro adulto e duas crianças (com suas bonecas) para o piquenique. O evento é gratuito e as vagas são limitadas à capacidade do local.

Piquenique de Bonecas

Agora vamos à previsão do tempo (rs). De acordo com o site do Climatempo, pelo menos até agora, a previsão é de um lindo dia de sol, com nuvens à tarde! Ebaaa!!

tempo piquenique de bonecas

Comportamento

Passeios escolares na educação infantil: você já autorizou?

Para algumas mães, passeios escolares são sinônimo de preocupação e ansiedade.

Photo credit: anna carol via VisualHunt / CC BY

Photo credit: anna carol via VisualHunt / CC BY

Logo que minha filha Alice entrou na escolinha, em 2015, participei de uma reunião de pais e professores sobre o ano letivo daquela turminha. Eis que um pai, visivelmente empolgado, pergunta para a orientadora quando as crianças participariam de um passeio fora da escola. Meu corpo gelou, senti uma tremedeira e engoli seco. Como assim, passeio? Mas jááá?? Ela estava com 2 anos…

Naquele momento me senti uma mãe estranha. Sempre fui meio neura, reconheço. Tive a sensação que eu era a única ali naquela sala de pais e mestres que não se sentia à vontade em autorizar a filha a ir em uma excursão – ou vivências/ estudos do meio, como também são chamados. A impressão é que todo mundo saberia lidar tranquilamente com esse assunto, menos eu. Mas não me preocupei a princípio. Até o dia que o bendito comunicado do passeio escolar chegou pela agenda. Eu tinha que tomar uma decisão! E aí? Deixar ou não deixar?

Descobri que eu não era a única mãe “estranha” que se sentia insegura com esses passeios. O que me ajudou bastante na ocasião foi deixar a vergonha de lado, ligar para a escola e fazer todas as dezenas de perguntas que rondavam a minha cabeça. É importantíssimo que os pais se sintam seguros e confortáveis, até mesmo para passar esse sentimento para a criança. Minha dica é que você exponha para a escola quais são suas dúvidas, angústias e receios. Por mais absurdo que pareça, não tenha vergonha de perguntar!  A escola – não se esqueça – é a sua aliada!

E para ajudar outras mães que também perdem o sono quando o assunto é passeio escolar, conversei com duas educadoras sobre a importância das vivências fora da escola e quais os cuidados que devemos ter na hora de autorizar o passeio.

Katarina Bergami, coordenadora educacional da Faces Bilíngue, escola sócio-construtivista situada no bairro de Higienópolis, destaca alguns itens que os pais devem checar junto à coordenação da escola: “Deve-se levar em consideração o objetivo do passeio, se há infraestrutura apropriada no local, se o local é seguro, se o transporte é seguro e apropriado, se a equipe que acompanha as crianças é suficiente para garantir a segurança e os cuidados necessários”.

Patricia Caram Miranda, diretora e orientadora educacional da Escola Meu Castelinho, acredita que essa experiência fora da escola é tão rica para a criança, quanto para os pais, pois temos que lidar com nossos medos e receios. A escola, localizada em Pinheiros, realiza passeios e estudos do meio para alunos com idade a partir de 2 anos “Os pais devem se informar muito bem sobre o lugar onde será o passeio, refletir sobre o quanto a experiência poderá agregar, consultar a intuição e decidir se estão prontos e seguros para proporcionarem para si e seus filhos esta experiência. Claro, uma certa insegurança faz parte no primeiro passeio do filho, mas ela deve ser em uma dose saudável e suportável. Cada um deve saber o seu limite e respeitar o seu tempo”, afirma.

É interessante compreender que o passeio em si não diz respeito apenas ao destino final – o museu, o teatro, o parque. Toda a experiência da saída da escola pode ser benéfica ao aluno. “Envolve desde o meio de transporte até a vivência do lugar onde irão. Apenas a experiência de sair da escola e fazer um passeio já traz para o aluno a oportunidade de se ‘ver’ longe dos pais e ‘dar conta’, desenvolvendo autonomia, independência e autoconfiança”, explica Patricia Caram. “Geralmente escolhemos locais que agregarão para os alunos experiências e vivências pertinentes à faixa etária, que geralmente relacionam aquilo que aprendem dentro da escola, servindo também de ferramenta de aprendizagem. Na escolha dos lugares para se passear, a equipe também considera as linguagens das crianças e quais as probabilidades de ampliação de repertório linguístico e cultural”, completa.

Segundo Katarina Bergami, da Faces Bilíngue, tudo o que a criança pode observar, traz uma experiência.

Segundo Katarina Bergami, da Faces Bilíngue, tudo o que a criança pode observar, traz uma experiência.

Katarina Bergami, da Faces Bilíngue, destaca o estímulo à exploração e à observação nos passeios escolares: “Tudo o que ela pode observar, traz uma experiência, um estímulo, um interesse diferente sobre um assunto específico. E se considerarmos apenas o fato de estarem em um lugar diferente, que não conhecem, já os estimula à observação de tudo à sua volta – o que sempre é benéfico. A vontade de explorar aparece imediatamente”.

E o que eu decidi sobre o passeio escolar da filha citado logo no início deste texto? Não deve ser levado em conta aqui, pois sempre será uma decisão muito pessoal, de cada família e que diz respeito a cada filho. Por exemplo, na primeira saída do meu filho mais velho, o meu maior medo era ele sair correndo e escapar do grupo, de tão peralta que é esse meu menino. Algo totalmente impensável para a minha caçulinha, que chora de medo quando se sente sozinha.

Acredito que o mais importante é você entender a proposta da escola, tirar todas as dúvidas para sentir-se confiante e respeitar a sua decisão, seja ela qual for.

“Na hora de autorizar os seus filhos, os pais devem levar em consideração a experiência que proporcionarão para eles versus a escuta do próprio coração, no sentido de consultarem para saber se a família toda está preparada para tal desafio. O que garanto é que, após a experiência, a satisfação de aluno, família e escola é recompensadora”, finaliza a diretora e coordenadora Patricia Caram.