Cinema e TV

Peppa Pig na telona do cinema

Quem tem criança pequenininha em casa provavelmente já assistiu e sabe de cor toooodos os episódios da Peppa Pig, não é? Aqui é assim também, a Alice ama a Peppa! Tanto que foi tema de seu aniversário de 2 anos, em fevereiro último.

E que tal assistir a Peppa no cinema?! Para incentivar o primeiro contato dos piticos com cinema, o Cinemark apresenta uma novidade na sua programação: nos dias 26, 27, 28 e 29 de maio e 4 e 5 de junho a rede irá exibir “Peppa Pig, as Botas de Ouro e Outras Histórias” com dez episódios inéditos da porquinha, em todos os 79 complexos da Rede.! Ebaaa!! Rs

Os ingressos já podem ser comprados nas bilheterias de todos os complexos ou pelo site da Rede (www.cinemark.com.br), por R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia). Salas VIP têm o valor de R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Episódios inéditos de Peppa Pig!

Em “Peppa: as Botas de Ouro”, a Senhora Pata foge com as botas douradas de Peppa antes de sua grande competição de Pulos em Poças 😉

Data: 26, 27, 28 e 29 de maio e 4 e 5 de junho
Horário: 11h30m (horário de Brasília)
Duração: 60 minutos
Preço: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia); sala VIP – R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Desabafo

Spray de espuma: brincar ou não brincar?

Ser mãe é pagar com a língua!

Dia desses, aqui mesmo no blog eu escrevi algumas dicas de carnaval e, entre elas, falei para se lembrar de levar confete e serpetina. Aí, atenção…. Abre aspas:

“Mas nos poupe daqueles sprays de espuma, acho super desnecessário!”

No mesmo dia deste post fomos a um bloquinho de carnaval. Meu filho viu uma criança brincando com o tal do spray e, claro, encantou-se e voltou pra casa dizendo que queria o spray, que queria o spray, que queria o spray e assim foi durante todo o final de semana.

Spray de espuma

Photo credit: carlaarena via Visualhunt.com / CC BY-NC

Sabem o que eu fiz?

Na segunda feira eu fui a uma loja de festas atrás do spray de espuma. Hahahahah Me julguem!!

Mas, gente… só por precaução, fui ler o rótulo! O troço é cheio das recomendações do tipo “não pode no ter contato com a pele ou olhos, se inalar ou ingerir procure um médico e tal”. Óbvio que não comprei!! Como eu vou dar um produto desses para uma criança de 4 anos e que ainda por cima vai jogar tudo na irmã de 2? Jamais!

Podem me chamar de neura, de *diferentona, nem ligo! Na semana passada levei meu filho para o PS porque ele estava brincando/ brigando com a irmã por um pincel embebido em tinta. Na disputa, o pincel foi com tudo na região da boca e nariz dele. Tinha muita tinta. Só que ele estava sarando de um resfriado e sabem o que ele fez por reflexo? Puxou toda a tinta pelo nariz, como se fosse coriza. Na hora achei que tinha sido uma quantidade pequena, mas depois que comecei a lavar e a limpar com cotonete e não parava de sair tinta laranja, eu realmente comecei a ficar preocupada!

O que me tranquilizou foi o fato de serem tintas atóxicas, próprias para crianças e de marca conhecida. Imagine se fosse uma xing-ling qualquer? Liguei pra pediatra e, mesmo assim, ela me sugeriu ir para o PS fazer um raio-x para checar se não tinha aspirado para o pulmão. Graças a Deus, não tinha nada, só uma irritação na narina… Mas gente… fica a dica né…produto que não pode ter contato com a pele, olhos, mucosas… é bem arriscado entregar para uma criança brincar!

Essa é a minha opinião e tentarei mantê-la firme, pelo menos até o próximo bloquinho! Porque como disse lá em cima, ser mãe é pagar com a língua (ou com os textos que escreve rs).

Comportamento

Crianças “on demand”: confira estudo sobre essa nova geração

Você tem uma criança “on demand” em casa? Aquela que não sabe esperar, que quer tudo na hora? Eu tenho um de 4 anos aqui! Eu já havia notado essa característica no meu filho ao assistir filmes e desenhos. Como consumimos aplicativos em celulares e tablets, além de serviços on demand na TV, percebi que, ao sintonizar um canal na televisão, ele fica ansioso quando tem que esperar o intervalo comercial. E também fica inquieto quando o programa que ele quer ver não está passando. Do tipo: “Como assim não dá pra assistir Alvin e os Esquilos agora? Não é só clicar em cima?”. Vai explicar que estamos vendo o canal aberto e que quem decide a programação não é ele! hahahah

Acho justo e natural esse estranhamento, afinal, o poder de decisão sobre o que assistir está cada vez mais em nossas mãos. Claro que essa liberdade não isenta a responsabilidade dos pais: são eles quem vão permitir – ou não – o acesso dos filhos ao conteúdo escolhido.

Essa geração de consumidores “on demand” é uma das constatações de uma pesquisa sobre o comportamento infantil realizada pelo canal Gloob, em parceria com a Play Conteúdo Inteligente, que revelou algumas tendências sobre o consumo de entretenimento e o comportamento das crianças no futuro.

O estudo, nomeado “Como as crianças pensam”, focou no eixo RJ-SP para conversar, por meio de entrevistas em domicílio, com 32 crianças (meninos e meninas), com idades entre 6 a 9 anos, de classe B2C, com acesso à internet e que assistem TV pelo menos quatro vezes na semana.

“Sabendo que as crianças são a manifestação da sociedade, é importante começarmos a pensar como atenderemos a consumidores tão exigentes, dinâmicos e atentos. Há tempo fala-se em comunicação 360, acredito que esta será realmente a primeira geração que exigirá que façamos isso. Não porque precisam de mais estímulos e sim porque desejam, podem e estarão em todos os lugares a todo momento”, afirma Aurélia Picoli, diretora de pesquisa da Play.

Confiram os resultados da pesquisa no infográfico abaixo. Clique na imagem para abrir.

Pesquisa Gloob