Comportamento

Mãe, menina pode casar com menina?

Teodoro, no “auge” dos seus 5 anos, diz que está namorando com uma amiguinha da escola e que vão se casar quando crescerem. Respondo que criança não namora, nem de brincadeira.

Alice, de 3 anos, esponjinha como só, resolve participar do assunto. Mesmo sem entender o real significado de casamento, ela não quer perder para o irmão e afirma que também vai se casar. Com a sua amiguinha inseparável da escola hahaha. Nem dá tempo de falar alguma coisa, o mais velho já pergunta: mas mãe, menina pode casar com menina?

Gente, eu nem queria esse papo de namoro, casamento, peloamor, são crianças!! Mas olha, se tem uma coisa que posso oferecer desde agora para os meus filhos, é a minha referência sobre respeito e diversidade.

Filhos, escutem: criança não namora nem casa. PONTO. Mas quando ADULTOS, sim, MULHERES podem se casar com mulheres, HOMENS podem se casar com homens, assim como mulheres casam-se com homens. As pessoas podem se casar com qualquer outra, desde que tenham (idade para tal rs) amor e respeito. É isso que determina uma relação. E fim de papo. Agora vão BRINCAR!

Esse papo não rolou apenas uma vez. Vira e mexe o assunto volta à tona e lá vou eu explicar sobre a diversidade. E explicarei quantas vezes for necessário, mas também sem muito blá-blá, porque não tem muito o que explicar… É isso! (ah, e também falo que para uma pessoa ser feliz ela não precisa necessariamente estar casada. Mas isso é assunto para um próximo post…)

Recentemente, nos Estados Unidos, foi exibido um episódio de Doutora Brinquedos no Disney Channel (chamado The Emergency Plan) no qual existia uma família composta por duas mães. As vozes que dão vida às personagens são das atrizes Wanda Sykes e Portia de Rossi, assumidamente gays.

doutora brinquedos

Que maravilhoso, que bom que nossas crianças tenham a oportunidade de crescer assistindo a desenhos que representem todos os formatos de família. Ainda é o comecinho, mas tenho certeza que essa geração será muito mais empática do que a nossa!

E na sua casa, já rolou esse papo também? Como foi?