Quarentena

Turismo de isolamento: a nossa experiência em viajar durante a pandemia

Final de semana passado fomos para Ilhabela (praticamente nossa segunda casa) para mudar de ares, respirar um pouco. Aqui vou contar a nossa experiência, os medos e os cuidados que tomamos em uma viagem em meio a pandemia.

Importante: nós não nos hospedamos em hotel (apesar de grande parte dos hotéis e pousadas já estarem abertos) e a ideia era não ter contato com ninguém.

Muito se tem falado de turismo de isolamento, que é diferente do turismo tradicional, onde a gente vai passear, conhecer a cidade de destino etc. No turismo de isolamento o objetivo é manter a quarentena com as mesmas pessoas que estavam em isolamento, porém em um local distante/ diferente da sua casa, com maior contato com a natureza, mais espaço, etc. Pra tomar um ar mesmo, mudar de ambiente!

turismo de isolamento

Em isolamento: sobre mudança de ares com segurança, essa foto representa bem

E é por essa razão que muitas famílias estão alugando chácaras, chalés ou casas de temporada tanto no interior quanto no litoral (sugiro o Booking.com).

Saiba mais: aluguel de chácaras e casas de temporada pelo Booking.com

Então, seguindo essa nova modalidade de turismo, pegamos estrada. Levamos todos os alimentos e insumos de São Paulo (onde só compramos por delivery). Na estrada, usamos Sem Parar nos pedágios e na balsa também. E quanto à gasolina, em São Paulo, de vez em quando precisamos sair e abastecer no posto, portanto já é um lugar que voltou a fazer parte da rotina. 

>> Quem não tem carro: acho bem mais seguro alugar um carro do que viajar de ônibus. Recomendo o rentcars.com para alugar um automóvel.

No segundo dia, sugeri passarmos na praia pra pisar na areia, dar um mergulho rápido e voltarmos pra casa. Fomos, mas sem levar cadeira, canga, nada! Bem diferente do que estamos acostumados, como escrevi no post “Viagem para a praia com bebê e criança: o que levar

levei lenço umedecido, álcool gel, saquinhos para as máscaras e uma máscara extra para cada pessoa (caso alguma caísse na areia ou molhasse, por exemplo). É bizarro, mas é indispensável ter essa preocupação na hora de arrumar a sua bolsa.

Em Ilhabela os restaurantes, bares e quiosques de praia já estão funcionando (mas não servem na areia). 

A situação da Praia do Julião: bastante gente e praticamente ninguém de máscara. Me senti um ET (mas nos mantivemos assim). Rodrigo foi andar com o Teodoro nas pedras (ambos de máscara) e eu fiquei mais isolada com Alice brincando na areia.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Catia Noronha (@todasasmaesemviagem) em

A máscara que estou usando é da Malwee, com tecido com acabamento antiviral, antibacteriano e antifungos, eficaz contra a Covid. Saiba mais sobre a linha Malwee Protege. 

No tempo que ficamos, eu vi, no máximo, 3 pessoas passando de máscara por mim. O restante estava caminhando ou sentado, bebendo, conversando, curtindo, tudo sem máscara. Tipo vida normal. Foi chocante.

E aí entendi quando li que na pandemia, o problema não é a praia para a proliferação do vírus e sim os banhistas, que acabam se aglomerando.

Não fiquei nem 5 minutos na praia (na verdade a ideia era essa mesmo). Me senti mal por estar em um lugar com tanta gente, mesmo com distanciamento e ao ar livre. Não cheguei a molhar meus pés na água, pra terem ideia. Me senti acuada. Minha família e eu estávamos de máscara, protegendo a nós e aos outros. Por que os outros não podiam estar de máscara também? 

E as crianças?

A gente já tinha conversado com as crianças que seria uma passagem rápida na praia. Eles estão entendendo a situação e não houve resistência por parte deles na hora de ir embora. Dias depois, já em São Paulo, fiquei mega orgulhosa da Alice quando foi contar a novidade para a professora que tínhamos estado na praia. Ela disse: “mas a gente ficou pouco porque a minha mãe não achou seguro, tinha muita gente sem máscara lá“. Ela não só entendeu como soube passar a informação adiante! 🙂

Quanto ao comércio, hotéis e restaurantes abertos e a minha opinião sobre essa flexibilização e reabertura do turismo: não sei quantas pessoas perderam seus empregos e agora estão aliviados em poder retornar e ter seu ganha pão de volta, principalmente se tratando de uma cidade que tem o turismo como uma fonte de renda importante (se não a mais). Não dá pra julgar.

Mas é inadmissível turistas não usarem máscara em locais públicos, como uma praia. Nesse sentido acho, inclusive, mais seguro viajar para um hotel fazenda ou resort, onde o ambiente é controlado e os protocolos de higiene são seguidos à risca. 

Veja quais hotéis já anunciaram a reabertura e descubra como será o “novo normal” da hotelaria

É isso. Com todos os cuidados, dá para respirar, mas penso que muita gente ainda não está pronta pra esse tal de “novo normal” não. 

Linha Malwee Protege já à venda no e-commerce da marca

 

Deixe seu comentário!